Fausto, Grande e Longa É A Viagem

Fausto, Grande e Longa É A Viagem

2018-10-26, Centro Cultural de Belém, Lisboa
Carlos Garcia
Inês Barrau
8
  • 10
  • 8
  • 7
  • 7

Fausto Bordalo Dias subiu ao palco do grande auditório do CCB para nos levar pela mão, na sua longa longa jornada musical pela diáspora que os portugueses efectuaram pelo mundo a partir do séc. XX.

Construindo o concerto com base na trilogia de discos em que musicou os descobrimentos, o mítico “Por este Rio Acima”, “Crónicas da Terra Ardente” e “Em Busca das Montanhas Azuis”, Fausto traz ao palco uma narrativa que é, simultaneamente, a de um certo grupo de portugueses que encontrou a fortuna e a tragédia ao longo dos séculos e a nossa história enquanto nação, conquanto ela é, até hoje, inseparável do facto de um dia este pequeno reino encravado à beira mar ter decidido navegar, comerciar, namorar, guerrear e evangelizar-se com outros povos e gentes.

É O MAR QUE NOS CHAMA

A narrativa é também a narrativa do próprio Fausto, já que estes três discos foram lançados ao longo das nossas três décadas de democracia, as três décadas do pós império e do pós colonialismo, a década da ressaca das grandes aventuras, dos grandes crimes e das grandes vidas. Após séculos de deriva e errância, de uma expansão que sempre foi uma bolha frágil pronta a explodir ou a contrair-se a qualquer momento, Portugal voltou a ser o pequeno torrão da costa atlântica da Europa. Reaprendermos a ser, outra vez, parte desta matriz geográfica sem nunca nos termos esquecido do perfume do exótico que ganhamos em outras terras.

Fausto melhor que ninguém saberá disto pois ele é próprio é um daqueles portugueses de matriz africana, nascido de forma quase profética a bordo da Pátria, a meio caminho entra a metrópole e os territórios ultramarinos. Sem navegar não há império e sem império não há Fausto. E no escurecer dos dias do mundo, temos no CCB o sítio mais apropriado para onde desaguam todas as águas deste devir histórico, nesse grande bunker do “cavaquistão”, símbolo do novo renascer europeu a que a nação se deu no desejo de ser, talvez primeira vez, um membro de pleno direito do Velho Continente, um espaço mais bonito e quente por dentro do que por fora, no seu grande auditório de muito espaço, e muita madeira, como o convés de uma nau.

Ao lado da grande praça sonhada e idealizada por quem viu a diáspora como um grande épico de grandeza, pleno de fé, bravura e destino marcado, ingénua na sua fonte de luzes cravejada de brasões e na sua nau padrão, povoada de gente estatutária de pedra e mito, muito pouco semelhantes aos navegadores e exploradores profundamente humanos e de carne e osso e luxúria e sexo e fome que Fausto retrata nas suas canções. Ao lado dos Jerónimos e da Torre de Belém, símbolo máximo da nossa partida e do nosso eterno retorno.

O cantor vem igual a si próprio, mas nota-se já a passagem dos anos: a voz tem já uma certa secura, não vem com o mesmo mel que antes deslizava das sílabas.

POR ESTE RIO ACIMA

Tendo como fundo “É O Mar Que Nos Chama”, Fausto vem acompanhado dos seus músicos de eleição e banda está bem rodada. Fausto é o tipo de músico que pode (e se calhar deve) optar entre espectáculos só de guitarra e voz, em que o lado mais intimista e poético das suas composições sobressaia, e estes manjares auditivos, em que as percussões e os coros são fundamentais. Qualquer um dos três álbuns da trilogia tem como matriz musical de fundo os ritmos tradicionais portugueses, os viras e as chulas, acordeões e braguesas e adufes, polvilhados de temperos africanos ou brasileiros. Tem de haver bom músculo musical para segurar isto em palco e o septeto que acompanha Fausto não desilude. O próprio vem igual a si próprio, mas nota-se já a passagem dos anos: a voz tem já uma certa secura, não vem com o mesmo mel que antes deslizava das sílabas. E uma vez que o concerto faz uma progressão cronológica, é nas primeiras músicas que se calhar se torna mais inevitável fazer-se uma comparação mental entre este Fausto que ouvimos e aquele que escutamos, tanta e tanta vez, em disco.

Começa-se assim com as músicas de “Por este Rio Acima”. E se do ponto de vista conceptual do concerto isto faz todo o sentido, pois este é o álbum baseado na Peregrinação de Fernão Mendes Pinto e retrata o início das nossas andanças pelos mares e pela Índia, em termos de fluência musical há aqui algo de anti-climático, uma vez que estas músicas são os grandes êxitos do autor. Um cantor mais preocupado com estas coisas de popularidade e de dar ao público o que ele quer teria provavelmente encaixado “O Barco Vai de Saída” ou “A Voar Por Cima das Águas” no final, mas a preocupação de Fausto é com a coerência temática e a construção da sua trilogia reflecte o próprio percurso anti-climático que viagem lusa sofreu, da euforia da pimenta ao travo amargo de malas e caixotes na Rocha de Conde de Óbidos.

As duas primeiras músicas cumprem quase nota por nota os originais, “A Guerra É A Guerra” surge mais despojada e, como tal, perde algo da sua força. Talvez só funcione realmente com um grande coro de vozes para emular aquele efeito de chamada e resposta. “Porque Não Me Vês” baixa a tonalidade e traz a primeira dimensão intimista ao concerto. Curiosamente, é neste registo que a coisa melhor funciona, o palco parece tornar-se maior e puxar mais a sala para si quando a músicas são mais íntimas. “Lembra-me um Sonho Lindo” é o grande trunfo de “Por Este Rio Acima”, o drone hipnótico e psicadélico que dá o mote para a segunda parte.

A interpretação com a força coral de “Na Ponta Do Cabo” foi o melhor momento da noite, soando mais bruta em relação à açucarada produção original do álbum.

VIEMOS NASCIDOS DO MAR

“Ao Som do Vento e do Mar” ainda é a navegação aventureira e esperançosa, no seu Carnaval da vida que acompanha a nau de regresso à casa amada. “À Deriva em Porto Rico”, que é um gozo de letra repleta de segundo e terceiro sentidos de intoxicação caribenha, perde-se um pouco num som que faz perder as nuances da dicção em função do ritmo do acordeão. “Todo Este Céu” torna novamente o espaço mais íntimo, e volta a reforçar a impressão que é o Fausto despojado aquele que mais fará sentido daqui para a frente.

O melhor momento do concerto vem com os músicos todos à boca de cena, um único microfone, baquetas e bombos e vozes. “Na Ponta do Cabo”, na ponta do palco, aqui eles que poderiam ser os marinheiros que evocam nas canções. Tudo surge mais rude, mais primevo, menos teatral do em álbum; marinheiros a cantar no convés da nau para se aquecerem no frio da noite e do mar sem fim. Pede-se todo um musical assim.

Na recta final entra-se em África, no interior de África, quando após vários séculos se começa a deixar os mares e as costas e se penetra na imensidão do continente da origem. O contraste da surpresa entre os nativos que vem vêem surgir estranhas criaturas flutuantes e os marinheiros que vêem estranha fauna e flora. “Velas e Navios Sobre as Águas” e “Viemos Nascidos do Mar”, uma mais tradicional e portuguesa, a outra mais africana, mais gingada, com uma guitarra quase Vampire Weekend. “Nos Palmares das Baías” e “À Luz da Mais Frágil das Auroras” vem a estranha infusão de erotismo e subjugação, a peculiar relação portuguesa com as populações nativas, com as quais a história colonialista relata que nos “misturamos”, eufemismo simpático para escravatura e violação.

A obra de Fausto nunca foge ao grande custo que a nossa “epopeia” trouxe ao negro. E aqui o negro é sempre o outro não branco e não cristão. E é na toada quase rocker de “Por Altas Serras e Montanhas” que se encerra a diáspora e o corpo da trilogia do concerto. Depois disto já não haveria exploração e epopeia, apenas a construção das futuras nações retalhadas no manto de África, e o lento pôr-do-sol do Império, que é bonito enquanto se contempla, mas que cedo dá lugar à noite e à incerteza.

LUSITANA

No encore temos a nação que no fim de tanta viagem regressa, nas palavras do próprio Fausto, à matriz greco-romana. “Europa, Querida Europa” é de “Para lá das Cordilheiras”, álbum de ’87, um ano a seguir ao da nossa integração na CEE. Os portugueses regressam a casa trazendo as sardinhas e os tambores, mas voltam transformados pois nunca serão os mesmos que em tempos partiram da finisterra da querida Europa. Mais palmas e mais encores e temos “Foi por Ela” uma quase bossa nova, choradinho de nação que se mudou para viver com a nova amada, mas que ainda sente o restinho do calor que deixou para trás. Último encore e “Lusitana”. Na última etapa da viagem, a barca dos navegantes e dos poetas, olha para si própria. Na soma de todas as suas múltiplas identidades e na originalidade que isso proporciona.

Fausto Bordalo Dias sempre sobre olhar para a história, para a nação, para os portugueses, e para si próprio sem lentes cor-de-rosa ou complacências, mas também sem o criticismo masoquista no qual tantas vezes as vozes da Lusitana se perdem. E nesta viagem em palco o reencontro é, sem surpresa, connosco próprios.