Filho da Mãe & Ricardo Martins: Tormenta no Musicbox

Filho da Mãe & Ricardo Martins: Tormenta no Musicbox

2016-02-19, Musicbox, Lisboa
Pedro Miranda
10
  • 10
  • 9
  • 10

Dois prodigiosos e tecnicamente proficientes músicos portugueses exploraram ao máximo as suas capacidades.

A noite, que foi divulgada como estreia de álbum, mais facilmente se apelidaria de reunião de família. Se Rui Carvalho (ilustre Filho da Mãe) e Ricardo Martins estavam prestes a dar o seu primeiro concerto como ensemble, não seria a sua atitude a denunciá-lo: entre gargalhadas, o ocasional trago do cigarro e golos do inseparável copo, o estado de espírito que deixavam transparecer à porta do Musicbox era de pura descontracção. Faziam-se rodear daqueles que lhes são próximos: entre os acompanhantes distinguiam-se membros de Linda Martini, afiliados Lovers & Lollypops e outros tantos músicos, a maioria dos quais juntar-se-ia à dupla em palco, para uma celebração que se antevia tão marcante para o grupo quanto para os, já naquela altura, inquietos fãs.

Um concerto esplendoroso – dotado de diversos prismas e magnífico sob qualquer um deles – que dificilmente será brevemente esquecido.

E se dois dos mais prodigiosos e tecnicamente proficientes músicos portugueses explorando ao máximo as suas capacidades era o expectável, a valorosa potenciação do seu expoente como grupo verificou-se, no mínimo, inesperada. Ricardo Martins, baterista de reconhecido mérito no seio da Revolve, desenhava ambiciosos padrões com as suas baquetas, por entre os quais assentavam perfeitamente os mirabolantes devaneios de Filho da Mãe. E o próprio Rui Carvalho, de renovado propósito ao comando da guitarra eléctrica, exibia-se com a maior versatilidade já vista: tecia gentis e imensamente melódicos fraseados com a mesma facilidade com que congregava tempestades de dissonância e reverb, criando, a par e passo com o seu acompanhante rítmico, crescendos angulares que desembocavam em emotivos clímax de ruído.

Com tal assertividade tocaram, a sós, como que incorporando um exército de dois, “Pessoal Beto em Sítios Chungas”, “Tormenta” (o single de prenúncio do virtuoso disco de estreia da dupla) e “Tritão”. Todas elas faixas longas e que no palco do Musicbox se estenderam além da sua duração, para visível deleite das assoberbadas fileiras de fãs que as contemplavam. E por falar no público, este que se dividia entre divagantes olhares de admiração e o característico bater de pé a que as mais mexidas incitavam, note-se que se deixava conduzir prazenteiro pelas habilidosas mãos dos músicos, reagindo intermitentemente aos variados momentos do espectáculo com as mais honestamente efusivas ovações.

Norberto Lobo, Cláudia Guerreiro e Jibóia, sobressaíram entre os muitos convidados.

Mas os apreciadores que fizeram encher o Musicbox não o fariam por uma mera reprodução de “Tormenta”. E Filho da Mãe e Ricardo Martins asseguraram-se de introduzir alguma diversidade à sua performance, chamando ao palco os companheiros de carreira, sem grandes apresentações que lhes antecedessem (afinal, não foram trazidos microfones ao palco – o concerto inteiro decorreu sem que uma palavra fosse dirigida à audiência, o que, aliás, diz muito acerca da expressividade musical dos intervenientes). Entre estes convidados, que fizeram por diversificar os temas de “Tormenta”, adaptando-os às suas próprias características, destaque para Norberto Lobo, que operou um caos de distorção e contrastou oportunamente com Rui Carvalho na guitarra, em “Tartaruga”; Cláudia Guerreiro, que trouxe um possante acompanhamento no baixo à gigante “Estrela e Acabada”; e Jibóia, incrementando com a sua característica malícia a encerradora “Truta Salmonada”.

Dificilmente terá havido membro da plateia a abandonar o recinto de mãos a abanar: entre excelência técnica, virtude melódica, uma entrega louvável em palco e um rol de convidados tão exclusivo quanto diversificado, Filho da Mãe e Ricardo Martins trouxeram de tudo um pouco para agradar a casa cheia que os esperou. Um concerto tão esplendoroso quanto multifacetado – dotado de diversos prismas e magnífico sob qualquer um deles – que dificilmente será tão brevemente esquecido.

Foto: Alipio Padilha

SETLIST

  • 1. Pessoal Beto em Sítios Chungas
    2. A Tia Dela
    3. Tormenta
    4. Tartaruga
    5. Tritão
    6. Estrela e Acabada
    7. Truta Salmonada