JUR 02 | Synth Pop, Cumbia e Noite Príncipe à Mistura!

JUR 02 | Synth Pop, Cumbia e Noite Príncipe à Mistura!

2015-10-23, Musicbox, Lisboa
Bernardo Carreiras
  • 7
  • 6

Arranque tímido e final em beleza, com a magia da Príncipe Discos.

A edição deste ano do Jameson Urban Routes, festival que surgiu em 2006,  trouxe mais uma vez algumas das novas tendências da música moderna ao Musicbox e ao Cais do Sodré. O segundo dia teve lugar na passada sexta feira, desta vez com menos audiência, em comparação com a noite anterior, e com chuva à mistura. Os portugueses Holy Nothing, Telepathe, El Guincho e Nicola Cruz foram os protagonistas de uma noite dedicada à synth pop e electrónica. Para terminar em beleza, houve ainda força para Babaz Fox, Nunex e Famifox espalharem a magia da Príncipe Discos.

Nelson Silva ( sintetizadores/teclados), Pedro Rodrigues (baixo/voz) e Samuel Gonçalves (sintetizadores e drum machine) são os Holy Nothing e andam desde 2013 a subir na cena musical. Com o single “Nothing is Fun” e o EP “Boundaries”, no ano passado, a banda do Porto assumiu-se como uma referência no que toca à estética da música electrónica e à synth pop das pistas de dança em Portugal. Subiram ao palco do Musicbox desfavorecidos pelo pouco público presente, mas nem assim se deixaram ir abaixo, mostrando uma atitude de confiança e puxando por quem assistia. Foi com “Boundaries” que nos brindaram, indo o destaque para as vibrantes de “Zebra” ou “Cumbia”. A componente visual e gráfica aliou-se à panóplia de beats e melodias, que exploram os terrenos da electrónica com ritmos quentes e exóticos aliados a vozes e sintetizadores densos, numa soma cujo resultado foi um concerto esteticamente rico.

Depois de um hiato de seis anos, a dupla norte-americana Busy Gangnes e Melissa Livaudais meteu-se numa tour europeia. A passagem pela Musicbox incluiu a apresentação de “Destroyer”, trabalho sucessor de “Dance Mother” do ano 2009. Com ele criaram um concerto refrescante e recheado de energia, numa exibição primorosa de synth pop e elegância electrónica com toque feminino. Com reminiscências de artistas como CHVRCHES, estas miúdas de Brooklyn deram um espectáculo consistente e bem executado, apesar dos problemas técnicos que se fizeram sentir e de um público pouco participativo que estaria já à espera do headliner. O espanhol El Guincho foi um dos destaques da noite. Com já cinco anos desde o disco “Pop Negro”, que o elevou a um estatuto considerável no panorama da música de dança, o artista promoveu um dos dj sets mais animados e energéticos que passaram pelo Jameson Urban Routes. Recorrendo estéticas como o hip-hop, por exemplo, e deixando transparecer naturalmente uma técnica vibrante, exibiu capacidade de surpreender e mover-se out of the box que não deixou ninguém indiferente com os sons exóticos e latinos.

Juntando-se à onda de El Guincho foi a vez de Nicola Cruz brilhar. Forte nome da world bass, o músico trouxe a América Latina até ao Cais do Sodré. Com as paisagens electrónicas que se conjugam às sensações folclóricas e etnográficas de outros continentes, o artista não deixou ninguém indiferente à medida que a sala se ia compondo. Já começa a ser tradição o after party ficar a cargo da família Príncipe Discos. Babaz Fox, aka Hélder Paiva, Nunex e Famifox tiveram a missão de encerrar o segundo dia em beleza. Com os seus remix propulsivos dentro dum universo kuduro, contribuíram para uma noite mais quente, contrariando o frio e chuva que se faziam sentir lá fora. Foi a partir chão que terminou mais uma noite do Jameson Urban Routes!

Fotos: Alípio Padilha