KEN mode, Punkalhada Groove

KEN mode, Punkalhada Groove

2015-05-31, Motion, 74-78 Avon Street, BS2 0PX Bristol
Nero
10
  • 10
  • 8
  • 10
  • 10

Todos os concertos rock deviam ser assim. Que sova!

Há 15 anos a rebentar tudo, os KEN mode limitaram-se a ser rotineiros na actuação do Palco 2 do Temples. E aqui, rotineiro significa um pastilhão de concerto! O nome da banda é bastante directo no que toca a influências, mas não se escuta apenas Henry Rollins. A manifestação de supremacia técnica que os canadianos fizeram no Temples é capaz de evocar o beat de Beastie Boys, o funk marado e porcalhão dos Suicidal Tendencies e o groove dos Melvins. Isso tornou o concerto numa agressiva e “sludgesca” fusão de hardcore e math rock.

Pleno de estruturas estranhamente melódicas e pujança contra-intuitiva nos blocos rítmicos.

Jesse Matthewson continua irascível como um puto rufia, mas a tocar guitarra como um vanguardista técnico “meio-tom-morello” e a consolidação do line-up, com Skot Hamilton no baixo e Shane Matthewson na bateria. Duas bestas rítmicas e capazes de responder com balanço à fúria eléctrica do frontman. “Punkalhada” com groove! Não fosse o zelo fanático com os Goatsnake e o título de melhor concerto do festival seria para KEN mode. Pleno de estruturas estranhamente melódicas e pujança contra-intuitiva nos blocos rítmicos, como tão bem ilustra um malhão como “No; I’m In Control”.

Um concerto “à moda antiga” que acabou épico e demente, com “Terror Pulse” e “Never Was” (com Jesse fora do palco, engolido pelo público).

SETLIST

  • No; I’m in Control
    Blessed
    Counter Culture Complex
    Book of Muscle
    Dead Actors
    The Terror Pulse
    Never Was
  • (Houve canções do novo álbum, a sair em breve…)