NOS Alive: Tame Impala, Príncipes Pop

NOS Alive: Tame Impala, Príncipes Pop

2016-07-08, Passeio Marítimo de Algés
Pedro Miranda
7
  • 8
  • 7
  • 9
  • 5

Os australianos deram um espectáculo pop de tirar a roupa por mais.

Kevin Parker assumiu-se, de certa forma, como o substituto do (também presente no NOS Alive no pico da sua fama) colega Alex Turner como o momentâneo príncipe pop de uma geração. Depois de ter conquistado metade do mundo com um revivalismo psicadélico tão refrescante quanto nostálgico, decidiu-se a converter a outra metade com uma reformulação muito significativa da sua música, que trocava o princípio entorpecente por um mais apegado à pista de dança. Um que, apesar de não ter feito muito pela complexidade das suas composições, certamente fez pelo alargamento da sua base de fãs, como o estado do seu público no NOS Alive bem pôde atestar.

De volume comparável àquela que compareceu, fielmente, à estrondosa performance de Radiohead, a multidão fez do Passeio Marítimo de Algés uma gigante festa ao som de Tame Impala, que pareceu investir todos os esforços em emular a inexistência dos seus primeiros dois discos. As músicas de “Innerspeaker” e “Lonerism” estavam lá, mesmo que não em maioria (das 11 canções tocadas, 5 eram de “Currents”), mas surgiam tão influenciadas pela sonoridade do disco de 2015 que a estética dos mesmos aproximava-se, muitas vezes, da nulidade.

Kevin Parker encontrou, como começámos por referir, um novo ethos, e com ele levou o público ao delírio de forma inegavelmente eficaz, fosse com os mais recentes temas (“Let it Happen”, “The Less I Know the Better”), fosse com alguns que já levam de outros tempos (“Apocalypse Dreams”, “Feels Like We Only Go Backwards”).

E mesmo que tenham sido profundamente flagelados por problemas de som e uma exibição áquem do que já trouxeram ao país, isso não impediu que o seu espectáculo fosse completado, do outro lado, com palmas efusivas, danças, saltos e a mais-que-ocasional nudez pública, a que Parker reagiu com natural satisfação. Adicione-se confetti a gosto e um jogo de luzes mirabolante à equação, e obtém-se uma previsível fórmula para o sucesso.

SETLIST

  • Nangs
    Let It Happen
    Mind Mischief
    Why Won’t You Make Up Your Mind?
    The Moment
    Elephant
    The Less I Know the Better
    Daffodils
    Apocalypse Dreams
    Feels Like We Only Go Backwards
    New Person, Same Old Mistakes