Redemptus, Espartilho Cénico

Redemptus, Espartilho Cénico

2015-02-07, RCA Club, Lisboa
Nero
7
  • 7
  • 8
  • 5
  • 8

A banda apresentou o seu álbum de estreia, “We All Die The Same”, a meio de uma parede de fuzz e distorção.

Os Redemptus apresentaram o seu álbum de estreia no Burning Light. A meio de Sovteks, Marshalls, Ampegs e Oranges, as bestas de amplificação que mais vezes se cruzaram em palco, a banda do Porto mostrou desequilíbrios próprios dos primeiros passos. “We All Die The Same” foi apresentado no concerto e seguido fielmente em palco, mas a atmosfera contemplativa do álbum não possui uma dinâmica adequada a um set tão curto.

Os interlúdios conceptuais quebraram algum balanço à parede de riffs, colossal no fuzz de baixo empunhado por um rufia que sabe aquilo que faz. A colagem entre o power trio sentiu-se sólida, mas esse conceptualismo foi inimigo da banda – nos momentos em que os músicos pareciam “aquecer” eram refreados pelo espartilho cénico. A paisagem desoladora de desespero que é transmitida pelo som dos Redemptus terá também perdido impacto por um motivo totalmente alheio à banda. Com a luz de um débil sol de Inverno a invadir o RCA, a iluminação não teve oportunidade de criar sinestesias.

Os malhões existem, a banda está lá, a certeza da direcção a seguir também. Resta esperar a congregação de tudo isto. A rever!