NOS Alive’19: Foi lindo, Robyn!

NOS Alive’19: Foi lindo, Robyn!

2019-07-11, Passeio Marítimo de Algés, NOS Alive
António Maurício
Inês Barrau
10
  • 10
  • 10
  • 10
  • 10

Antes de o concerto começar, era fácil perceber que este seria o concerto com o palco e a produção mais elaborados do dia na zona secundária.

Um pano branco pendurado nas luzes até metade do palco. Palco, esse, também coberto de branco, todos os instrumentos brancos e até a roupa da banda de Robyn era branca. Por trás, uma escultura meio abstracta em forma de mão e um conjunto de escadas. Mas todo este “espalhafato” era justificado, porque Robyn revelou-se a melhor actuação do palco Sagres no primeiro dia. Utilizando o novo álbum “Honey” como a maior fatia da setlist, apresentou faixa como “Honey”, “Missing U” ou “Between the Lines” com uma mestria de popstar gigante. O trabalho vocal estava sonoramente igual às versões de estúdio e as coreografias/movimentos/bailados alinhados com o instrumental de forma impressionante. É difícil cantar bem, mas ainda é mais difícil cantar e movimentar-se vigorosamente bem. Atenção, durante todo o concerto!

Uma banda completa com dois elementos de percussão, dois elementos para a sintetização e uma guitarra, que criavam estruturas de pop alternativa, moderna e cativante devido às várias e/ou repentinas alterações. Existia sempre alguma coisa a mudar, mas estávamos tão atentos às habilidades de Robyn que ficava difícil perceber toda a composição instrumental (isto no melhor sentido possível!). A nossa mente fica hipnotizada com tanta coisa acontecer ao mesmo tempo. Até os efeitos visuais, como as luzes e imagens de fundo no ecrã estavam trabalhados ao detalhe. Os graves potentes e bem definidos penetravam pelos ouvidos dentro (muitos 808s), e as sintetizações futuristas obrigavam a, pelo menos, mexer a cabeça. Conseguir colocar o público a cantar por completo o refrão da “Dancing On My Own”, sem instrumental, além de proporcionar nostalgia com as mais antigas “Call Your Girlfriend” ou “Indestructible”. Numa próxima, Robyn merece um palco maior.