10

Santana

Abraxas

Sony Music, 1970-09-01

EM LOOP
  • Black Magic Woman
  • Incident At Neshabur
  • Mother’s Daughter
  • Hope You’re Feeling Better
Nero

Pratos a simular os ventos equatoriais, fazendo estremecer espanta-espíritos, uma guitarra estridente num bending simples, mas sólido. E depois a erupção da fusão entre a frenética percussão latina e a solenidade de um Rhodes. “Singing Winds, Crying Beasts” introduz-nos num mundo exótico, num ritual de voodoo que mistura blues, jazz, salsa e rock – introduz-nos em “Abraxas”, o segundo e, possivelmente, o melhor álbum de Santana.

“Black Magic Woman”, cuja sexualidade vibrante surge ilustrada na espectacular capa concebida por Maty Klarwein, é o rosto principal da obra que ainda hoje, e depois de calamidades como álbuns de duetos e de versões, faz evocar o nome de Carlos Santana como um dos maiores no panteão da guitarra eléctrica. Aquele momento em que o tema é quebrado para o frenético ritmo percussivo que envolve o solo improvisado. E depois aquela tríade de notas no riff final… Todos os deuses do groove decidiram agraciar o guitarrista mexicano. Aliás, a partir daqui esta música passou a ser de Santana e o original de Peter Green [baixista de Fleetwood Mac] tornou-se uma mera curiosidade obscura.

Abraxas é criativo, vibrante, instrumentalmente prodigioso e pioneiro.

Contudo, Santana era mais que o seu guitarrista. A solidez com que, todos juntos, soavam é a grande catapulta da guitarra do azteca, cujo estilo sempre se tornou mais pertinente funcionando em pequenos apontamentos, a electrizar o psicadelismo das estruturas latinas, fossem salsa ou mambo. Isso é por demais evidente em peças como “Oye Como Va” (original de Tito Puente) ou “Incident at Neshbur”. Em “Se a Cabo” essas premissas são mantidas, mas este é um dos temas em que Carlos Santana mais exibe o seu virtuosismo.

Imagem em www.matiklarweinart.com. “Annunciation”, pintura de Mati Klarwein, de 1961, é a capa de “Abraxas”.

“Samba Pa Ti”, o momento mais relaxado do álbum, surge entre os dois mais musculados. Antes é “Mother’s Daughter”. Aqui, sem perder o seu espírito de fusão, a banda faz uma peça clássica de rock. É aqui que mais soam as Gibson SG Special de Carlos – antes das Les Paul e, mais tarde, das PRS, eram esses modelos, equipados com P-90s, que davam aqueles médios tão perfurantes quanto característicos no som do guitarrista. E depois, o demolidor riff de órgão de “Hope You’re Feeling Better”, pesadão mesmo, quando dobrado com as guitarras, com um groove e solos capazes de colocar, nesta altura, Santana a rivalizar com Hendrix. O final do disco, com “El Nicoya”, é uma fantasia de percussão. Um bom ritual de voodoo deve acabar como começou, afinal.

“Abraxas” é tudo: criativo, vibrante, a confirmação do pioneirismo que o disco de estreia e a aclamada actuação no Woodstock haviam revelado, e um dos discos que, pela capa, mais vale a pena ter em vinil… E já agora o Santana tem umas parecenças físicas com o Chalana!