Tarja Turunen

2012-02-15, Aula Magna, Lisboa
Inês Barrau

Tarja Turunen regressou a Portugal, depois da passagem em 2005 no Festival Vilar de Mouros ainda como vocalista de Nightwish, e desta vez apresentou-se a solo. Foi também a primeira vez em Lisboa. “Não sabia o que estava a perder!”, afirmou.

O público que se dirigiu  à Aula Magna para ver Tarja Turunen foi-se sentando ao som das duas bandas de suporte, os gregos Hannibal e os franceses Benighted Soul.

Passados alguns minutos depois das 22h, Mike Terrana [bateria], Christian Kretschmar [teclado], Kevin Chown [Baixo],  Alex Scholpp [Guitarra] e Max Lilja [violoncelo] foram ocupando os seus lugares um a um. Por fim, entra a figura da noite, Tarja, com uma graciosidade teatral ímpar. Foi recebida de pé e surpreendida por uma forte ovação, calada apenas pelo início de “Anteroom of Death”, a música escolhida para abertura, que coincidência ou não é também a primeira música do último álbum, “What Lies Beneath”. De seguida relembra “My Little Phoenix”, do álbum “My Winter Storm”, e regressa ao presente com “Falling Awake”.

Tarja é possuidora de uma voz invejável e poderosa e que ao vivo não desilude, de todo. Aguentou bem as notas (o mínimo que se pede a um vocalista, é certo, mas que não é de todo um tema pacífico que não mereça menção) e sobressaiu dos restantes instrumentos qb, sem excessos de protagonismos, o que contribuiu para um equilíbrio sonoro assinalável.

Uma vez que a Aula Magna permite uma maior proximidade entre o público e os músicos, os fãs não perderam a oportunidade de oferecer alguns presentes a Tarja, como foi o caso de uma bandeira portuguesa, que colocou sobre os ombros e com a qual cantou “I Walk Alone” e “Dark Star”.

Durante o concerto, o baterista Mike Terrana ofereceu aos presentes um solo de bateria e alguns malabarismos com as baquetes e algumas músicas de Nightwish não foram esquecidas – Tarja ofereceu ao fãs “Nemo” e o público agradeceu.

Houve também tempo para um pequeno set acústico, que fez evidenciar ainda mais o poder da voz de Tarja. A balada “I Feel Immortal” tornou-se um momento profundo e algumas almas mais sensíveis não conseguiram evitar uma lágrima.

Para o encore estavam guardadas “Die Alive”, “Until My Last Breath” e a conhecida “Phantom of the Opera” (na versão dos Nightwish).

O concerto acabou como começou, com uma forte e demorada ovação de pé à vocalista e restante banda. Um bom concerto, certamente perfeito e memorável para os fãs, quer de Nightwish como de Tarja Turunen.

 

SETLIST

  • Anteroom of Death
  • My Little Phoenix
  • Falling Awake
  • Dark Star
  • Drum Solo
  • Little Lies
  • Underneath
  • Nemo
  • Set Acústico:River of Lust, Minor Heaven , Montanas de Silencio, Sing For me , I Feel Immortal
  • Cirian’s Well
  • In for a Kill
  •  
  • Encore:
  • Phantom of opera
  • Die Alive
  • Until my Last Breath