The Dead Daisies, Tango & Cash

The Dead Daisies, Tango & Cash

2018-07-11, Estádio Municipal de Oeiras
Nero
8
  • 8
  • 9
  • 7
  • 8

Os Dead Daisies, banda repleta de alguns dos melhores hired guns do planeta, ofereceram-nos 40 minutos cheios de acção explosiva.

Alguma vez se perguntaram: e fossem obscenamente ricos e o vosso sonho fosse ter uma banda? O australiano David Lowry terá colocado a si essa pergunta e criou a sua banda como os melhores músicos que, como se diz em inglês, “money can buy”. Assim, surgiram os Dead Daisies, gravando o seu primeiro álbum em Los Angeles, com o produtor John Fields e aproveitando o poder do grande capital, elite a que pertence Lowry, para editar através do Universal Music Group.

Mas a vénia a Lowry deve ser feita, porque não se arrogou ao que não sabe e usou as suas qualidade$ para criar um projecto de line-up rotativo, capaz de reunir um rol impressionante de gente associada a bandas lendárias do rock e hard rock, gente cheia de pedigree, como Richard Fortus (Guns N’ Roses), Darryl Jones (The Rolling Stones), Dizzy Reed (Guns N’ Roses), Marco Mendoza (Thin Lizzy), Charley Drayton (The Cult), John Tempesta (The Cult), Brian Tichy (Whitesnake), Frank Ferrer (Guns N’ Roses), Alex Carapetis (Nine Inch Nails), John Corabi (Mötley Crüe), Doug Aldrich (Bad Moon Rising, Whitesnake), etc.

E ainda ter muitos deles a escreverem canções para os álbuns dos Dead Daisies, aos quais juntam-se ainda nomes como Slash e os outros a andarem a rolar pela estrada, acompanhando Lowry. Um projecto assim poderia ter problemas de solidez, mas no improvisado festival Legends Of Rock, em Oeiras, os Dead Daisies mostraram o oposto. Um pouco como os soldados de elite, profissionais de guerra, são contratados a pesod e outro para black ops, para não falharem.

Durante cerca de 40 minutos, John Corabi (voz), Marco Mendoza (baixo), Deen Castronovo (bateria) e Doug Aldrich (guitarra principal), além de Lowry na segunda guitarra, mostraram porque são alguns dos mais requisitados músicos de sessão em Los Angeles e arredores. Aldrich esteve em particular destaque, com uma combinação clássica de ferramentas “roqueiras”, Gibson Les Paul e dois half stacks Marshall (JCM), com um som nos dedos vigoroso, electrizante e ágil, capaz de rapidez nas notas e bendingas expressivos.

Na verdade, tendo arrancado com os dois temas de abertura do seu mais recente álbum, “Resurrected” e “Rise Up”, o corpo sonoro do concerto foi sempre bastante dentro daquele músculo das produções de Bob Rock. A interpretação de “You And I” ilustrou perfeitamente esta ideia, Doug Aldrich com Talk Box, a acrescentar um certo sabor soutyhern rock ao groove pesado e orelhudo tão típico do rock da Sunset Boulevard. Características que nem na cover que fizeram a “Bitch”, clássico dos Rolling Stones no álbum “Sticky Fingers”. John Corabi soube agarrar a plateia, com um vozeirão e alguns tiques à Steven Tyler, conduzindo-a através de um concerto explosivo.

E, no final de contas, nunca chateia muito ter que ver um filme de acção como a saga “Os Mercenários”, de Stallone.

SETLIST

  • Resurrected
    Rise Up
    Make Some Noise
    Mexico
    Dead and Gone
    What Goes Around
    With You and I
    Last Time I Saw The Sun
    Something I Said
    Set Me Free
    Song and a Prayer
    Bitch
    Angel In Yout Eyes
    Devil Out of Time
    Long Way to Go