The Killers, Viva Las Vegas

The Killers, Viva Las Vegas

2018-06-30, Rock In Rio Lisboa, Parque da Bela Vista
Nero
8
  • 8
  • 10
  • 8
  • 9

Entre o indie rock (lá muito no fundo já) e tiques de Springsteen naquela capacidade de contar histórias simples, rotineiras e torná-las a história de cada um, os Killers deram o concertão do costume.

Nota: The Killers não se deixaram fotografar pela comunicação social.

Algo estranhamente, no Verão passado, Dave Keuning e Mark Stoermer anunciaram que iriam deixar de acompanhar os Killers em digressão. Guitarrista e baixista originais, bem com Brandon Flowers, anunciaram que continuariam a fazer discos com a banda, mas que esta teria um novo line-up ao vivo.

Aparentemente, os motivos da decisão prendem-se com os rigores de digressão. E se olharmos à intensidade colocada pelos Killers no concerto no Parque da Bela Vista, parece quase natural que o guitarrista e baixista tenham decidido preservar-se.

Rock in Rio, Lisboa

Uma publicação partilhada por The Killers (@thekillers) a

Flowers é um animal de palco, sempre foi, transportando em si o melhor dos clichés de showmanship de Las Vegas, evocando Elvis nos jeitos e trejeitos e na forma como puxa pela banda que tem atrás de si, extraindo-lhe cada gota de suor disponível. Essa intensidade foi fundamental para reunir a multidão dispersa pelas várias distracções do festival, no dia em que esteve menos público no Rock In Rio Lisboa.

Essa intensidade e também as canções que os Killers sempre souberam escrever em grande estilo. “The Man”, “Somebody Told Me”, “Spaceman”, “The Way It Was”… Canções orelhudas e simples, com algo de heartland rock. Canções capazes de cativar instantaneamente a atenção de quem as ouve, com muito de U2.

E quem tomou o lugar de Keuning e Stoermer? O baixista Jake Blanton acaba por ser uma presença discreta. Velho conhecido de Flower, com quem gravou “Flamingo”, em 2010, talvez acrescente mais groove e peso aos temas, ao invés das cadências frenéticas de Stoermer, quiçá reflexo das colaborações com Beck. Já o guitarrista Ted Sablay encheu o palco. Foi capaz de emular aquela elegância pouco esforçada que Dave Keuning tem na sua técnica e no seu som e também promoveu um desfile de Strats, Teles, Explorers e Les Paul. E que dizer de Ronnie Vannucci Jr. que acabou o concerto exausto? Bate cada vez melhor, cada vez com mais força e é o verdadeiro dínamo do concerto.

Por esta altura, os Killers haviam reunido a maioria do público diante de si, com toda a gente pronta para cantar o marcante verso de “All These Things That I’ve Done”, «I got soul, but I’m not a soldier» e preparada para o vibrante final com os super singles “Whe You Were Young”, “Human” e “Mr. Brightside”. Um festão, como de costume.

SETLIST

  • The Man
    Somebody Told Me
    Spaceman
    The Way It Was
    Shot at the Night
    Run for Cover
    Smile Like You Mean It
    For Reasons Unknown
    A Dustland Fairytale
    Runaways
    Read My Mind
    All These Things That I’ve Done
    When You Were Young
    Human
    Mr. Brightside