Vocês pedem, os MGMT dão

Vocês pedem, os MGMT dão

2018-07-14, Passeio Marítimo de Algés, NOS Alive
António Maurício
Inês Barrau
7
  • 7
  • 7
  • 8
  • 6

O novo álbum dos MGMT encontra boas transformações em palco, mas a plateia só respondeu com euforia aos títulos mais populares da sua colheita discográfica.

Com um atraso significante, depois do prolongado e excelente concerto dos Pearl Jam, a dupla americana deparou-se com um público demasiado cansado e pequeno para o ambiente de festa psicadélica que procurou proporcionar. O novo álbum, “Little Dark Age”, apresenta boas transformações ao vivo, mas os velhos sucessos são essencialmente o maior fruto da sua colheita discográfica.

O cenário visual em palco foi sempre muito surreal, conseguimos avistar colunas romanas, palmeiras e a mascote amarela do novo álbum em formato gigante. Além das imagens psicadélicas projectadas na tela de palco, ainda carregaram mais um visor que se posiciona entre os músicos e a tela de palco, aumentando a mistura de cores e padrões. Poderíamos ainda salientar o fato preto inchado (imaginem a fatiota do Batman) do guitarrista/teclista James Richardson, mas vamos passar ao sentido auditivo.

Abertura com “Little Dark Age”, fortemente dependente do sintetizador de Benjamin Goldwasser, seguida da igualmente recente “When You Die, mais dançável, mas, contrariando o que seria de esperar, não se transmite tão bem para um espectáculo ao vivo. Depois do ataque na bateria por Will Berman no final do primeiro verso, não sentimos aquela explosão de transição presente na versão de estúdio. “James”, pelo contrário, soa melhor ao vivo, com um som de percussão mais elevado e um novo arranjo. Mas a taça de melhor interpretação do novo álbum é inquestionavelmente entregue a “Me and Michael”. Uma das mais bonitas músicas sobre amizade editadas este ano, ganha uma dimensão mais exorbitante ao vivo, e ao contrário da “When You Die”, as explosões nas transições são bem sentidas. Além disso, é fácil e satisfatório de cantar entre amigos.

Mas a união de festa psicadélica tão procurada só atingiu o seu verdadeiro poder com “Electric Feel” e “Kids”. Afinal, foram estas duas músicas que colocaram os MGMT nas bocas do mundo com os refrões contagiantes e o sentimento de juventude. “Kids” incluiu um interlúdio exclusivo para um novo rebatimento do refrão e a “Electric Feel” também mais prolongada, colocou a baixa afluência de presentes a dançar. Com grandes poderes vêm grandes responsabilidades, e os MGMT sentem a necessidade de fazer prolongar o que o público mais deseja.

SETLIST

  • Little Dark Age
    When You Die
    Time to Pretend
    James
    Weekend Wars
    Flash Delirium
    Siberian Breaks
    Electric Feel
    Me and Michael
    Kids
    TSLAMP
    The Youth