Xutos & Pontapés, Casinha

Xutos & Pontapés, Casinha

2018-06-30, Rock In Rio Lisboa, Parque da Bela Vista
Nero
Inês Barrau
7
  • 6
  • 6
  • 8
  • 8

Um concerto carregado de emoção e com muitas dicotomias. O Zé Pedro andou por lá.

Foi a 30 de Novembro que os Xutos & Pontapés perderam Zé Pedro e Portugal perdeu a sua figura maior no rock ‘n’ roll, um Keith Richards “À Sua Maneira”. Os Xutos optaram por continuar, o que é perfeitamente legítimo, e não procuraram substituir o guitarrista, o que é extremamente louvável.

Mas se simbolicamente essa foi a opção mais correcta, musicalmente talvez não seja assim. É certo que Zé Pedro nunca se procurou destacar pelo virtuosismo na guitarra, mas pela alma que emprestava ao som e às canções. Mas agora, sem essa alma, o “anti-virtuosismo” dos Xutos deixa muitos espaços por preencher no concerto e a maioria das canções não funciona, principalmente porque Tim e Cabeleira não promovem muitas compensações na sua performance e mantém-se na sua zona de conforto.

Ao mesmo tempo, essa alma continua a existir. De forma transcendente à banda, passa para as canções e para o público do país da saudade por excelência. Por isso, se o arranque do concerto foi atípico (ou talvez nem tanto) com vários enganos, com paragens forçadas pelo desencontro dos músicos, tal como é estranho ouvir o saxofone de Gui procurar preencher o espaço harmónico deixado vago pelo , progressivamente, o carinho oferecido à banda pelos fãs foi tornando o concerto numa experiência memorável.

Porque foi um tributo ao , feito por aqueles que lhe eram mais próximos e que deixaram transparecer as suas emoções, apesar das suas limitações e porque um concerto é algo mais que a performance de uma banda. É as canções e os elos sentimentais que essas canções forjam com quem as ouve. E quantos de nós ouviram as canções dos Xutos toda a vida?

Principalmente, a partir de “Mar de Outono” tema novo que, sendo algo brega, foi eficaz em criar uma ligação sentimental mais forte entre a banda e o público, abrindo espaço a “Não Sou O Único”, canção de Zé Pedro que é um malhão em qualquer parte do planeta. A partir desse momento, Tim abriu o coração mais vezes para falar do falecido amigo que viria a estar mesmo “presente” em “Para Ti Maria”, através de um sample audiovisual com imagens e som das guitarras de Zé Pedro no concerto do trigésimo aniversário da banda, no estádio do Restelo, em 2009.

Talvez o único tema do concerto sem enganos de maior e um arrepiante tributo ao icónico músico. Antes do final, com a subida ao palco do Sr. Presidente da República e uma multidão de “VIPs” e amigos da banda, curiosamente poucos dias após Marcelo Rebelo de Sousa ter dito a Trump (não sem alguma sobranceria) que Portugal não era os Estados Unidos, para cantar a “Casinha” (Oh…a ironia), Tim foi eloquente: «Contra o céu não se pode muito».

Obrigado por apareceres, !

SETLIST

  • À Minha Maneira
    Chuva Dissolvente
    Fim do Mundo
    Prisão em si
    Avé Maria
    Circo de Feras
    Mar de Outono
    Não Sou o Único
    Esta Cidade
    Remar Remar
    Homem do Leme
    Ai Se Ele Cai
    Contentores
    Para Ti Maria
    A Minha Casinha