Festival Porta Jazz 2021 Oferece 14 Concertos Em Edição Especial

Festival Porta Jazz 2021 Oferece 14 Concertos Em Edição Especial

Redacção
Mínima

O Festival Porta-Jazz regressa de 23 e 25 Julho, numa edição adaptada à nova realidade, com palcos no Teatro Campo Alegre e no Museu Nacional Soares dos Reis.

O lema desta 11.ª edição é “Da Janela Saem Pássaros”, em jeito de reacção às contingências provocadas pela pandemia da COVID-19, mas que serve, também, para sintetizar o princípio por detrás de um profícuo trabalho da Associação Porta-Jazz, com mais de uma década, que tem deixado a sua marca no tecido criativo do Porto e contribuído, decisivamente, para o seu reconhecimento internacional.

“Da Janela Saem Pássaros” porque, num ano em que a arte ficou confinada e em que quase toda a música ao vivo ficou em suspenso, tentando substituir o calor do encontro pela distância, impessoal, dos “live-streams”, a Porta-Jazz fez destas limitações a sua força. Editando, em 2020, um álbum com 39 solos de músicos que transformam o seu lar em estúdio e se mantiveram “De porta aberta”, a par de outros 10 CDs com o selo Carimbo.

A 11.ª edição do Festival Porta-Jazz será isso mesmo: a extensão natural da casa da Associação Porta-Jazz.

No primeiro dia do festival, 23 de Julho, pelas 20h30, o Teatro Campo Alegre recebe o Vessel Trio de Hery Paz, Javier Moreno e Marcos Cavaleiro que vai apresentar o seu registo de estreia; seguindo-se o concerto do super-grupo Coreto que vai estrear as encomendas feitas a João Grilo, João Mortágua, Catarina Sá Ribeiro e Nuno Trocado.

No dia 24 de Julho, pelas 11h00, o Museu Nacional Soares dos Reis será palco da actuação de Filipe Teixeira Trio e o álbum “TAO”, seguindo-se a criação em residência “Vazio e o Octaedro” de Josué Santos e Gianni Narduzi. Às 17h00, no Teatro Campo Alegre, é a vez do Ensemble Robalo/Porta-Jazz, criado para o momento; e de Nuno Campos apresentar o registo “Tacatarinaten”. À noite, pelas 20h30, Miguel Rodrigues mostra “Empa”; e ouve-se a encomenda feita pelo festival a Hristo Goleminov.

O Festival Porta-Jazz termina a 25 Julho com um concerto de Hugo Raro, às 11h00, no MNSR com o disco “Connecting the dots”; seguido do grupo de novos músicos liderado por Yudit Vidal com “Canto das Sereias”. Às 17h00, no TCA actua João Martins com o seu “Hundred Milliseconds”, seguido de Mazam com “Land”. Às 20h30, João Pedro Brandão apresenta “Trama no Navio”, e André Silva encerra esta 11.ª edição com a apresentação de “The Guit Kune Do”.

Ao longo de três dias serão apresentados 14 concertos que contam com a participação de 60 músicos. Haverá espaço para mostrar diferentes propostas estéticas que vão do Jazz mais tradicional à mais pura e livre improvisação, passando pela Música Contemporânea ou por caminhos apoiados no groove, a interacção de talento local com gente dotada, oriunda de outros pontos do país e do estrangeiro.

A entrada para os concertos é gratuita, embora a lotação seja limitada de acordo com as recomendações da Direcção Geral de Saúde. Os bilhetes podem ser levantados na bilheteira do TCA a partir das 14h30 do dia dos espectáculos. Para o MNSR, será possível reservar bilhete através do site portajazz.com mas também no local, no próprio dia a partir das 10h00.

EGITANA