Gibson consegue que o Governo Federal americano abandone investigação criminal

Gibson consegue que o Governo Federal americano abandone investigação criminal

Timóteo Azevedo

A Gibson Guitar Corporation anunciou em comunicado oficial que chegou a acordo com o Departamento de Justiça do Governo Federal dos Estados Unidos. O acordo prevê o abandono da investigação criminal sobre a suspeita de que a companhia estaria a usar madeira ilegalmente importada na produção de instrumentos musicais. Em troca, fica estabelecido o pagamento de uma coima de $300.000, à qual acresce um donativo de $50.000 à fundação National Fish and Wildlife Foundation para ajudar a promover a conservação de árvores protegidas.

O caso começou com uma rusga feita a 24 de Agosto de 2011, quando agentes federais armados executaram quatro mandados de busca nas fábricas da Gibson em Nashville e Memphis, Tennesse [EUA]. O suporte jurídico para os mandados era baseado numa interpretação do Lacey Act de 1900, revisto em 2008 e que estipula várias normas com o objectivo de protecção da vida selvagem, tanto animal como vegetal. A rusga resultou na apreensão de numerosas paletes de madeira de ébano e pau-rosa (rosewood) importados da Índia e documentação da companhia, para além de obrigar à paragem da produção durante todo o dia e o regresso forçado dos trabalhadores a casa. Não foi a primeira vez que a Gibson foi alvo deste tipo de acção por parte do governo federal, tendo-se verificado uma situação semelhante em 2009.

No comunicado, o presidente e CEO da Gibson Henry Juszkiewicz [foto acima] comentou “Sentimo-nos compelidos a chegar a um acordo porque os custos de provarmos o nosso caso em julgamento seriam de milhões de dólares e levariam imenso tempo a resolver. Isto permite-nos voltar ao negócio de produzir guitarras. Uma parte importante do acordo é que serão devolvidos os materiais apreendidos na segunda rusga armada nas nossas fábricas e temos reconhecimento formal de que podemos continuar a importar escalas de pau-rosa [rosewood] e ébano da Índia, como fazemos há várias décadas.”

A Gibson Guitar Corporation também declara no comunicado “Apesar de ‘[…] o governo reconhecer que a Gibson cooperou com o governo e a investigação conduzida pela Fish and Wildlife Service’, a Gibson foi sujeita a duas rusgas hostis nas suas fábricas feitas por agentes munidos de armas e vestidos com equipamento SWAT [Special Weapons And Tactics, equivalente ao Grupo de Operações Especiais da PSP] em que os funcionários foram obrigados a retirarem-se das instalações, a produção foi interrompida, bens foram confiscados como contrabando e foram feitas ameaças que forçariam o encerramento da empresa.”

“Sentimos que a Gibson foi inapropriadamente alvejada, e o assunto podia ter sido abordado com um simples contacto por um ser humano atencioso a representar o governo,” acrescentou Henry Juszkiewicz “Em vez disso, o governo usou meios violentos e hostis com a força total do governo dos Estados Unidos e vários agentes da autoridade armados que custaram milhões de dólares aos contribuintes e colocaram uma empresa americana geradora de emprego em risco e em desvantagem competitiva. Isto mostra a tendência crescente por parte do governo de criminalizar as regras e regulamentos e tratar as empresas americanas da mesma forma que são tratados os traficantes de droga. Isto está errado e é injusto. Estou comprometido a trabalhar arduamente para corrigir a iniquidade permitida pela lei e garantir que existe justiça, o devido processo legal, e que a lei é usada para o seu objectivo pretendido de impedir bandidos e travar a muito real desflorestação do nosso planeta.”