Mucho Flow 2018: Cartaz completo

Mucho Flow 2018: Cartaz completo

António Maurício

O festival vimaranense já a presentou todos os nomes que compõem a 6ª edição.

Agendado para o dia 6 de Outubro, a música voltará a ocupar o CAAA em Guimarães com novos projectos de rock, hip hop, electrónica e free jazz. Os sete nomes que fecham o cartaz são Mourn, Hilary Woods, Ditz, Huggs, Nidia, Vaiapraia e as Rainhas do Baile e DJ Lynce. Os sete novos nomes somam-se aos já anunciados GAIKAFIRE!BLACK MIDI e SKY1. Os bilhetes encontram-se à venda em Ticketea.pt por 10€. Serão anunciados mais pontos de venda em breve.

Foi em 2014 que os Mourn surpreenderam o mercado internacional com um disco que compilava o seu indie rock angular e o lirismo acutilante. Do disco de estreia homónimo até “Ha, Ha, He”, segundo registo editado fora de Espanha pela Captured Tracks, reafirmaram o seu lugar enquanto umas das mais promissoras bandas no seu registo. Uma disputa com a editora espanhola que os acompanhava havia de os afastar das edições até este “Sorpresa Familia”. O terceiro disco, editado no arranque de 2018, resolve as suas frustrações, compilando uma encontrada maturidade na composição, sem que, com isso, se perca a jovialidade e fúria que os define desde o início.

Artista multidisciplinar Hilary Woods é a mais recente contratação da Sacred Bones. Minimalista em composição, densa na estrutura e refinada pela voz delicada, a sua música viaja entre o universo do acústico e electrónico, algures no território que fica entre uma Marissa Nadler e uma Grouper. Vem acompanhada por “Colt” simultaneamente o disco de estreia e a sua mais recente edição.

Ditz, quinteto de Brighton nascido dos universos de uns Lightning Bolt, METZ ou Girl Band. Post-hardcore, noise rock e grunge são algumas das fontes por onde se alinha o som da banda, compilado em “Seeking Arrangement”, o longa duração que, dizem, destrói tudo o que se interpõe à sua frente em apenas 97 segundos.

Nidia é uma das vozes que integra o impressionante catálogo da Príncipe Discos, editora que reúne alguns dos mais interessantes e inovadores nomes da electrónica mundial. “Nidia é Má, Nídia é Fudida”, o primeiro longa-duração lançado em 2017, transformou-a num dos nomes obrigatórios em alguns dos palcos mais importantes de todo o mundo.

Os Huggs nascem da irreverência punk e bateria pesada do Jantonio, contrastada pela paixão criativa e guitarras dinâmicas do Duarte, quando os dois se conhecem por acaso num projecto de faculdade. Apresentam-se, ao vivo, em formato de power trio clássico, a balançar entre o indie e o garage rock, transportando-nos para uma atmosfera tão fria, crua e insensível, quanto quente e apaixonante.

Rodrigo Vaiapraia começou a fazer canções em meados de 2013 dentro de um quarto em Setúbal. Pegou no Casio e nos milhares de sentimentos que acumula e começou aí a montar o bedroom pop que o caracteriza. Foi assim no primeiro EP, produzido por Filipe Sambado, já sob o nome Vaiapraia e as Rainhas do Baile, continuou a sê-lo em 1755,o disco que tornou urgente ouvir a música que faz, auto confessional, biográfica, purgatória, que respira nos medos e sentimentos de quem a faz.

O lote de novas confirmações é fechado com o inconformismo e irreverência de DJ Lynce, encapsulando nas suas escolhas musicais todas as ramificações que se conjugam na teia musical das culturas e sub-culturas urbanas.

CARTAZ

Gaika
Black Bidi
Fire!!
Sky H1
Vaiapraia e as Rainhas do Baile
Huggs
Nidia
Ditz
Hilary Woods
Mourn
DJ Lynce