“Nevermind” 30th Anniversary Com Surpresas Para os Fãs dos Nirvana

“Nevermind” 30th Anniversary Com Surpresas Para os Fãs dos Nirvana

Redacção

“Nevermind” faz 30 anos a 24 de Setembro de 2021 e irá, naturalmente, receber uma reedição. Não será essa a novidade, mas antes a possibilidade de vir com material novo. Será mesmo? Dave Grohl e Krist Novoselic falam do lançamento, mas o baixista diz não querer estragar a surpresa.

O tema central da edição de Agosto da Uncut é dedicado aos Nirvana e aos 30 anos desde o lançamento do mítico disco “Nevermind”. Em entrevista para assinalar a efeméride, o baterista Dave Grohl e o baixista Krist Novoselic falaram de tudo um pouco: desde as humildes aspirações que os Nirvana tinham quando estavam a produzir “Nevermind” até ao conteúdo da reedição que está a caminho.

«Ninguém pensava que os Nirvana iriam ser uma grande banda. Pensámos: “Esperemos conseguir o sucesso de uma banda como os Sonic Youth e cada um terá o seu próprio apartamento!” Essa era a extensão das nossas ambições», afirma o baterista, que também recorda o momento em que a banda percebeu que “Nevermind” estava a invadir o mainstream.

O trio estava em digressão para apoiar o lançamento quando começou a notar que as suas audiências cresciam exponencialmente. «Iniciámos a digressão numa carrinha e tocávamos em salas para 95 pessoas. Um mês e meio depois fizemos o nosso último espectáculo na América, no Halloween, no Teatro Paramount em Seattle, que acolheu cerca de 3.000 pessoas. Nessa noite fomos notificados de que tínhamos um disco de ouro».

Noutro ponto da entrevista, o baixista Krist Novoselic deixou o mistério no ar, insinuando a possibilidade de algumas  surpresas para celebrar a edição do 30º aniversário de “Nevermind”. «Ainda estamos a preparar a reedição. O que é que está nela? Vão ver, não quero estragar a surpresa! O aniversário é realmente para os fãs e o que o álbum significa para eles. Se ajudar as pessoas a fazer algum sentido do mundo, isso é óptimo. No entanto, é preciso descobrir».

Não ficou claro qual será a surpresa, mas Novoselic acabou por afirmar que «não há nenhum material novo por descobrir», uma vez que as cassetes das sessões de “Nevermind” já foram todas libertadas ao longo dos anos. Já Dave Grohl, quando questionado sobre música inédita da banda, observou que as sessões não deixaram muito espaço para material raro, dizendo: «Não tivemos tempo para gravar canções extra. Já passaram 30 anos, mas acho que não sobrou muito. Usámos o que tínhamos».

Novoselic falou ainda sobre o contrato com uma grande editora, em 1991, quando os Nirvana trocaram a Sub Pop pela DGC. O baixista garante que nunca esteve em conflito sobre a decisão de assinar pela major. «Havia a música, o que era uma coisa, e depois havia toda esta outra parte que era uma situação completamente nova, com coisas que já não estavam em Olympia ou Tacoma. Era todo este grande mundo e nós a tentar adaptar-nos».

Enfrentamos tempos de incerteza e a imprensa não é excepção. Ainda mais a imprensa musical que, como tantos outros, vê o seu sector sofrer com a paralisação imposta pelas medidas de combate à pandemia. Uns são filhos e outros enteados. A AS não vai ter direito a um tostão dos infames 15 milhões de publicidade institucional. Também não nos sentimos confortáveis em pedir doações a quem nos lê. A forma de nos ajudarem é considerarem desbloquear os inibidores de publicidade no nosso website e, se gostam dos nossos conteúdos, comprarem um dos nossos exemplares impressos, através da nossa LOJA.
EGITANA