Quando os The Who Bateram o Recorde do Concerto Mais Alto

Quando os The Who Bateram o Recorde do Concerto Mais Alto

Redacção

Existe uma ligação directa entre os nossos ouvidos e os centros de prazer do cérebro. E ouvir música alta com frequências graves acima dos 90 decibéis liberta endorfinas, pelo que se pode dizer literalmente que a música alta é um estimulante. Os The Who sabiam o que faziam…

Os The Who sempre gostaram de dar concertos para lá dos limites ‘legais’, como ficou claro no seu espantoso disco Live At Leeds, de 1970. Não é por isso surpresa que o concerto no The Valley, casa do Charlton Athletic FC, em 1976, tenha entrado nos livros de recordes como o concerto mais alto de todos os tempos. O recorde anterior pertencia aos Deep Purple, com 117dB, mas os The Who elevaram a fasquia para 126dB, ainda que ajudados pela acústica do velho estádio e também pelo facto de estarem mais de 75.000 pessoas literalmente aos gritos naquele dia.

Este mítico concerto foi ainda uma das últimas grandes aparições do baterista Keith Moon com a banda, antes de falecer no dia 7 de Setembro de 1978.

A razão pela qual o concerto continua a ser oficialmente o mais alto do Guinness Book of Records é que, após essa conquista, o prémio de honra foi eliminado pela organização do livro mundial dos recordes devido aos malefícios para o ouvido interno. Embora, entre outros benefícios, a música alta possa libertar endorfinas, demasiada exposição pode causar zumbidos e, a longo prazo, outros problemas auditivos mais graves.

Existem muitos outros espectáculos que ultrapassaram os decibéis que os The Who alcançaram nesse mítico dia, mas que, pelos motivos já expostos, não foram oficialmente reconhecidos. Por exemplo, os Motörhead subiram para 130 decibéis no concerto no Newcastle City Hall, acabando por partir, literalmente, o telhado e abanar os pilares estruturais…

Hoje em dia, a média nos concertos de rock cifra-se entre os 110 e os 120 decibéis. Para se ter uma ideia, o som de um trovão directo sobre um telhado registar-se-á ao nível do solo a cerca de 120 decibéis. Por isso se aconselha moderação, já que os peritos alertam que a exposição prolongada a qualquer ruído acima dos 85 decibéis pode causar danos na audição.

Portanto, subam apenas um pouco o volume para ouvir este malhão mega clássico da banda, naquele que foi mesmo o último concerto de Keith Moon…

Enfrentamos tempos de incerteza e a imprensa não é excepção. Ainda mais a imprensa musical que, como tantos outros, vê o seu sector sofrer com a paralisação imposta pelas medidas de combate à pandemia. Uns são filhos e outros enteados. A AS não vai ter direito a um tostão dos infames 15 milhões de publicidade institucional. Também não nos sentimos confortáveis em pedir doações a quem nos lê. A forma de nos ajudarem é considerarem desbloquear os inibidores de publicidade no nosso website e, se gostam dos nossos conteúdos, comprarem um dos nossos exemplares impressos, através da nossa LOJA.
EGITANA