Que Jazz É Este?, conhece aqui as primeiras confirmações

Que Jazz É Este?, conhece aqui as primeiras confirmações

Luis Valente

A 7ª edição do festival Que Jazz É Este? realiza-se de 24 a 28 de Julho no Parque Aquilino Ribeiro e em diversos locais da cidade de Viseu.

Os cinco primeiros nomes anunciados são Munir Hossn, Centauri, Soweto Kinch Trio, Xose Miguélez / Jean-Michel Pilc Quartet e Triciclo Vivo com a participação de Rodolfo Embaló.

Na edição de 2019, a 7ª edição do festival irá ter música espalhada pela cidade de Viseu e, em locais fora do habitual como varandas, assim como a 11ª edição do Workshop de Jazz com o formador Pedro Neves.

Organizado pela Gira Sol Azul, as mais recentes edições do Que jazz É Este? pautam-se por objectivos bem concretos: divulgar música jazz de qualidade; promover episódios de formação seleccionada e perspectiva aberta; incentivar e investir em músicos e grupos da região apoiando a mostra do seu trabalho; envolver activamente as comunidades mais e menos inusitadas; expandir a sua dimensão internacional convidando músicos e colectivos de topo além-fronteiras e, acima de tudo, contribuir para a criatividade e troca de conhecimento.

Munir Hossn apresentará as canções dos álbuns “Indigenajazz” e “Made in Nordeste”.

Produtor, compositor e multi-instrumentista, Munir Hossn, nasceu no Brasil no dia 24 de Novembro de 1981. Produziu e colaborou em vários projectos no Brasil com artistas como Hermeto Pascoal, Roberto Mendes, Daniela Mercury, Lenine, Gilberto Gil, entre outros. Ao longo da sua carreira internacional já trabalhou com artistas como Joe Zawinul Syndicate, Quincy Jones e The Global Gumbo All Stars, Alfredo Rodriguez, Didier Lockwood, Concha Buika, Roberto FonsecaJorge Pardo, Mayra Andrade, entre outros…

A banda do baixista, guitarrista e vocalista brasileiro Munir Hossn é composta pelo baterista belga Tuur Moens, o pianista cubano Victor Zamora  e o violinista português João Silva.

Qualquer alma que devote o mínimo de atenção às movimentações jazzísticas portuguesas da última década e meia sabe que, quando se fala de guitarristas, há um nome que se destaca acima de qualquer suspeita: André Fernandes. Exímio instrumentista e dotadíssimo compositor, já tocou com uma miríade de enormes jazzmen nacionais e estrangeiros que lhe elogiam a originalidade (Lee Konitz, Mário Laginha, Maria João, Bernardo Sassetti, David Binney entre outros), a vitalidade e a versatilidade artística. Incansável obreiro do jazz local – não apenas como músico, mas também como mentor da editora Tone Of A Pitch, André Fernandes tem um novo grupo, depois de “Dream Keeper”, projecto internacional que mereceu as melhores críticas dentro e fora de portas. Centauri junta Fernandes a dois dos mais talentosos e jovens saxofonistas portugueses, José Pedro Coelho e João Mortágua, e a uma das mais jovens e requisitadas secções rítmicas nacionais em Francisco Brito e João Pereira.

Saxofonista e rapper, Kinch tem causado ondas tanto no jazz como no hip-hop. É um dos poucos artistas a actuar nestes dois géneros distintos.

Formado pela Universidade de Oxford em História Moderna, tem conseguido ao longo do seu percurso reunir uma lista impressionante de prémios, incluindo uma nomeação para a Mercury Music Prize, dois UMA Awards e dois MOBO Awards para Melhor Espetáculo de Jazz. “Nonagram” é o seu mais recente álbum.

O Soweto Kinch Trio é composto pelo saxofonista, vocalista, teclista e programador Soweto Kinch, o baterista Will Glaser e o contrabaixista Nick Jurd.

Triciclo Vivo é um projecto idealizado e desenvolvido por Ricardo Martins que toca baixo eléctrico e pelo baterista Miguel Almeida.

Os Triciclo Vivo criam conteúdos musicais originais. São inovadores no panorama da música nacional e têm uma abordagem moderna e atrevida nas suas composições.

Estão sempre a experimentar novas sonoridades e procuram desenvolver a sua linguagem a partir da fusão e world music, onde encontram uma forma directa de comunicar com quem se cruza com a sua música.

Uma bateria abrangente e um baixo bem presente criam uma estrutura sónica com muito espaço e informação num duo sólido, transformando-se num trio com um eventual terceiro elemento, músico solista convidado, que adiciona melodias, sons, ruídos e ritmos.

Xose Miguélez / Jean-Michel Pilc quartet reúne quatro músicos com uma pesquisa insaciável e livre pela expressão artística.

O pianista e compositor autodidacta Jean-Michel Pilc já tocou com inúmeros gigantes do jazz, incluindo Roy Haynes, Billy Hart, Michael Brecker, Dave Liebman, Jean Toussaint, Rick Margitza, Kenny Werner, Marcial Solal, Michel Portal, Daniel Humair e Marcus Miller. Kenny GarrettLenny White, Chris Potter, John Abercrombie, a Mingus Big Band, Lew Soloff e Richard Bona, entre outros.

Foi também director musical e pianista de Harry Belafonte e fez um dueto com o lendário cantor de ópera Jessye Norman.

O trio de renome de Jean-Michel é composto pelo baixista François Moutin e o baterista Ari Hoenig.

Jean-Michel editou três álbuns de piano a solo aclamados pela crítica, e um novo álbum duplo a solo, “Parallel”, editado em 2018 via Challenge Records em Junho de 2018.

Xose Miguélez é considerado um dos mais destacados saxofonistas de jazz da nova geração de músicos da península Ibérica.

O seu mais recente projecto musical, “Ontology” foi apresentado em Agosto na sala Blue room do American Jazz Museum em Kansas City e editado em 2019, via Origin records.