Seymour Duncan, O Novo Vapor Trail Delay

Seymour Duncan, O Novo Vapor Trail Delay

Redacção

A Seymour Duncan revelou uma versão Deluxe que expande as capacidades do seu pedal de delay Vapor Trail, acrescentando um controlo digital mais complexo ao efeito de delay analógico.

O núcleo do som do pedal deriva de quatro chips ‘bucket-brigade’ de delay, para tempos de delay de até 1,2 segundos. Esta tipologia de chips de delay tem um som característico com agudos bem filtrados, perfeito para estar no ambiente musical em vez de embrulhar tudo.

Graças à combinação de analógico e digital, o pedal tem um banco de três predefinições e tem tanto a função tap tempo como um selector de subdivisão rotativo. O tap tempo é definido num footswitch secundário específico; enquanto o modo de selecção pré-definido é introduzido pressionando o footswitch de bypass e então os presets são seleccionados com o footswitch de tap tempo. Há também um modo manual para operação “a olho”.

O switch rotativo de divisão de tempo também selecciona quatro modos de efeito extra: Micro Delay, para sons slapback extra-rápidos; Pitch Sequence acerscenta oitavas mais altas ou baixas em oito sequências rítmicas personalizáveis; Pitch Bender dá-nos efeitos de glissando e, finalmente; Runaway permite uma parede controlada mas interminável de repetições.

Separada destes efeitos está uma secção de modulação, que oferece tudo, desde imperfeições subtis de pitch até uma ondulação descontrolada. Para que ainda mais efeitos sejam colocados nos teus delays, há um jack ‘wet insert’ TRS (send-return), o que permite a utilização de um cabo stereo-to-dual-mono para ligação com outros pedais de modo a aplicar apenas nas repetições para alguns sons experimentais.

Outras características incluem um botão de mistura geral, entrada de pedal de expressão e alternação de sinal para permitir que as repetições continuem depois de desactivar o pedal.

Podem ouvi-lo em acção no player em baixo. Para mais detalhes visitem a seymourduncan.com.

Enfrentamos tempos de incerteza e a imprensa não é excepção. Ainda mais a imprensa musical que, como tantos outros, vê o seu sector sofrer com a paralisação imposta pelas medidas de combate à pandemia. Uns são filhos e outros enteados. A AS não vai ter direito a um tostão dos infames 15 milhões de publicidade institucional. Também não nos sentimos confortáveis em pedir doações a quem nos lê. A forma de nos ajudarem é considerarem desbloquear os inibidores de publicidade no nosso website e, se gostam dos nossos conteúdos, comprarem um dos nossos exemplares impressos, através da nossa LOJA.
EGITANA