Bon Iver, Sentimentos Reais Sintetizados pelo Messina

Bon Iver, Sentimentos Reais Sintetizados pelo Messina

2019-07-13, NOS Alive 2019
António Maurício
Arlindo Cardoso | NOS Alive
8
  • 8
  • 9
  • 9
  • 7

Comandada por camadas sintetizadoras e auto-tune vocal, a banda fundada por Justin Vernon proferiu um dos mais calorosos e sentimentalistas concertos do NOS Alive 19.

A criação dos Bon Iver surgiu após um dramático capítulo na história pessoal de Justin Vernon, fundador do projecto, principalmente folk, mas que nos dias de hoje mistura-se com produções electrónicas glitch.

Após o cessar da sua banda DeYarmond Edison, o final de uma relação de longa-duração e o período de luta com uma infecção causada pelo vírus Epstein-Barr, Justin isolou-se na cabana do pai em Wisconsin durante um Inverno inteiro para começar a gravar o que seria o nascimento de Bon Iver, com o altamente aclamado “For Emma, Forever Ago” (2006). Mas desde 2019, a sonoridade indie folk foi movimentando-se com o tempo e “22, A Million” (2016), o mais recente álbum, transformou por completo a base sonora. As vozes em auto-tune dominam o álbum e a electrónica sobrepõe-se aos instrumentos, mas um aspecto permanece intacto: a frágil sensibilidade de sentimentos.

Ao vivo, obviamente, não vão encontrar um público aos saltos ou aos gritos, não é suposto descarregar energia, é suposto recarregá-la. Entre a linha da frente, fica um sentimento de ligação pacífica pelo ar, até o derrame de algumas lágrimas. Este calor sentimental é proporcionado pelas sonoridades maioritariamente formadas por sintetizadores, em conjunto com uma percussão leve, toques de guitarras conservados e vocais carregadas de efeitos harmónicos, que maximizam os temas emotivos de “666 ʇ” ou “33 “GOD””, que também manipula a voz humana através dos samples disparados durante toda a duração da faixa.

Em momento praticamente a capella, “715 – CREEKS” glorifica a escrita romântica-dramática e apresenta uma utilização magistral de “Messina”, o dispositivo exclusivamente criado para Justin por Chris Messina

Em momento praticamente a capella, “715 – CREEKS” glorifica a escrita romântica-dramática e apresenta uma utilização magistral de “Messina”, o dispositivo exclusivamente criado para Justin por Chris Messina (o seu engenheiro de som) que mistura hardware com software e cria todos os efeitos do auto-tune. Nos nossos ouvidos analisamos com toda a definição a partição harmónica sobre a voz de Justin – o que o aparelho digital faz, essencialmente, é dividir a voz emitida em múltiplas harmonias. Em “____45_____”, também o saxofone, que entrou sempre com distinção e perfeitamente afinado, foi alvo dos efeitos modernos do auto-tune e soou incrivelmente bem, impulsionando ainda mais a sonoridade sentimental.

Apesar da enorme utilização desta tecnologia na maior parte das canções de “22, A Million”, que preencheram grande fatia do concerto, “8 (circle)” faz-se sem efeitos, criando uma entrega mais crua para contrastar com o digital. A verdade, é que o formato folk de tempos passados não ficou fora de palco.

O exponente máximo deste formato mais clássico aconteceu em “Skinny Love”, com a belíssima composição de guitarra electro-acústica que despertou a atenção de centenas de telemóveis. Talvez a música mais popular da banda, mas “Heavenly Father” também se fez ouvir através dos cânticos. A maior curva aconteceu em “Creature Fear”, que fugindo à calma e serenidade do início, encerrou-se de forma caótica (para os standards Bon Iver) – velocidade em crescimento na guitarra e bateria e um instrumental final pujante acompanhado de luzes intermitentes.

A música de Bon Iver, agora assumidamente experimental, cria sossego e faz-nos reflectir. Nos ecrãs gigantes, muitos choravam, ou estavam prestes a ceder. Por norma, a utilização do digital, retira as características mais humanas, mas neste caso, amplificou os sentimentos. Imensa vontade e curiosidade para repetir a audição num espaço mais fechado, compacto e intimista.

[Justin Vernon, não se deixou fotografar].

SETLIST

  • Perth
    Minnesota, WI
    10 d E A T h b R E a s T
    715 – CREEKS
    Towers
    Blood Bank
    29 #Strafford APTS
    666 ʇ
    8 (circle)
    ____45_____
    Heavenly Father
    Skinny Love
    Creature Fear
    Holocene
    Calgary
    33 “GOD”
    The Wolves (Act I and II)
    22 (OVER S∞∞N)