SBSR’16: Je suis Massive Attack

SBSR’16: Je suis Massive Attack

2016-07-15, Meo Arena
Bernardo Carreiras
9
  • 10
  • 9
  • 8
  • 9

A consciência política acerca dos maiores problemas da nossa era foram um dos pontos mais fortes do concerto dos mestres do trip hop inglês.

Para quem teve a sorte de assistir à última passagem dos Massive Attack por Portugal (Super Bock Super Rock 2014) sabe bem do que se trata assistir a esse espectáculo. Por entre as luzes, gráficos, mensagens e o som, claro, a banda tem a capacidade incrível de se transformar numa máquina na qual os nossos sentidos mergulham sem darmos conta. Os códigos binários, as caras de personalidades como Donald Trump a passar no ecrã ou as mensagens recheadas de teor político, como na música dedicada às vítimas do acidente de Nice – «Dedicado a todas as vítimas dos trágicos e incompreensíveis acontecimentos em Nice» –  prendem a atenção mesmo dos mais desatentos em relação ao que se passa no globo a nível financeiro,político e social.

A banda de Bristol consegue o feito de representar o presente, transformando-o através da sua música em algo mais – uma verdadeira união. Pelo menos ali, naquelas horas, muitos sentiram que se pode fazer a diferença no mundo. Os Massive Attack sabem bem o que está errado e não têm medo de o expor ao mesmo tempo que fazem música tão ou mais potente que as mensagens transmitidas. A presença dos Young Fathers foi bem recebida com uma participação em quatro temas, incluindo originais. Quanto aos Massive Attack, revisitaram “Blue Lines” (1991) e tocaram temas como “Ritual Spirit” ou “He Needs Me”, canção que aproveitaram para passar vários títulos dos media desde Kardashian a Pokemon Go. A crítica da banda aos meios de comunicação e à era digital está mais voraz que nunca.

O encore ficou marcado com uma versão moderna do hit “Unfinished Sympathy” que teve  um ecrã repleto de mensagens como “Je suis Istambul” ou “Je suis Orlando”. Uma mensagem final – «Estamos Juntos» – arranca os aplausos do público em delírio com o que estava a presenciar. Por vezes a música tem este poder de ultrapassar barreiras e contribuir para alguma mudança no mundo.

No fim só podemos agradecer aos Massive Attack por esta enorme lição e pela dádiva de um espectáculo que teve tanto de angustiante como de inspirador. #SomostodosMassiveAttack

Fotos: Alex Oliveira

SETLIST

  • United Snakes
    Risingson
    Ritual Spirit
    Future Proof
    Pray for Rain
    Voodoo in My Blood
    Old Rock n Roll
    Shame
    He Needs Me
    Inertia Creeps
    Take It There
    Safe From Harm
  • Unfinished Sympathy