Auscultador Vaginal

Auscultador Vaginal

Redacção

E se, à falta de melhor termo, “ouvir” música pudesse potenciar a fertilidade feminina? Os nuestros hermanos pensaram nisso e desenvolveram o Babypod. Um… “vagicular” – um auricular semelhante a um tampão.

Sem brincadeiras. O acessório liga-se a um iPod normalíssimo e, depois de introduzido na vagina, reproduz as canções armazenadas no aparelho. Os criadores do acessório, uma equipa de investigação do Instituto de Reprodução Assistida Marqués, de Barcelona, afirmam que as vibrações musicais facilitam o encontro dos espermatozóides com o óvulo e que, com base nos testes em 400 mulheres em Espanha. O estudo já foi submetido a avaliação (e consequente aprovação) da Sociedade Europeia de Embriologia, com os testes alargados a 1000 mulheres, verificando-se um aumento da fertilzação em 5%. Há mais informação no site oficial.

O que ainda carece de consenso é o género musical mais apropriado para o efeito pretendido. Da música clássica ao rock alternativo, todos as estéticas musicais produziram efeito. Um porta-voz do Instituto Marqués, em declarações reproduzidas na revista Sábado, afirma que o determinante, de Tchaikovsky a Melvins, é o nível sonoro a que o óvulo e espermatozóides são expostos: «O método é mais eficaz com o volume a rondar os 52 decibéis. Esse nível de vibrações é o mais aproximado às contracções naturais do útero, que conduzem os óvulos através das trompas de falópio ao encontro com os espermatozóides».

O aparelho deve ser usado uma ou duas vezes ao dia, num máximo de 20 minutos. Portanto, amem-se, preparem uma playlist ao vosso gosto, façam paixões e dêem música a essas células reprodutivas!

EGITANA

fender