As três vidas de Nirvana no Hall of Fame

As três vidas de Nirvana no Hall of Fame

Nero

Joan Jett, Lorde e St. Vincent juntaram-se a Dave Grohl e Krist Novoselic para honrar Kurt Cobain e os Nirvana na introdução da banda no Hall of Fame.

Já se previa que assim que os Nirvana cumprissem os requisitos para a introdução no Rock N’ Roll Hall of Fame, 25 anos após a edição do primeiro LP, ali chegassem na primeira oportunidade. A questão era, naturalmente, como se iria apresentar a banda sem o seu frontman. Já se sabia também que Joan Jett iria subir a palco com a banda. Meio surpreendente foi ver surgir Lorde e St. Vincent.

Joan Jett parece não ter suado muito, procurando um registo vocal muito aproximado ao original de “Smells Like Teen Spirit”, acabou por fazer soar a versão feminina dos Nirvana, as Hole. Falta aquela dureza rockeira que Joan Jett já chegou a mostrar com os Blackhearts. Contudo, e salvaguardando o facto de esta ser uma opinião baseada num péssimo áudio, a banda parece ter procurado a fúria com que tocava este single ao vivo.

Começam é a não haver palavras para adjectivar Lorde. Procurando não se colar em demasia a Kurt Cobain, e não faz muito sentido que se procure isso, manteve o feeling da versão acústica de “All Apologies” e conseguiu não perder a sua própria identidade. O tema consegue manter a suave amargura original e ainda ser acrescentado daquele charme tão próprio da jovem cantora. Grande versão.

No mesmo sentido foi a actuação de Annie Clark, a St. Vincent. Capaz de manter todas as suas idiossincrasias e dar uma certa frescura a “Lithium”, embora o tema parece, tal como na versão de “Smells Like Teen Spirit”, carecer da fúria de Cobain. Contudo, esta é uma versão claramente diferente da original, nos momentos de pouca tensão Clark é capaz de ser mais doce e menos cínica.

EGITANA