Robô da NASA Equipado Com Microfones Para Captar Áudio em Marte

Robô da NASA Equipado Com Microfones Para Captar Áudio em Marte

Redacção
NASA/JPL-Caltech

Os sons de Marte. O Perseverance Rover da NASA aterra hoje, 18 de Fevereiro, em Marte. E não vai sozinho. O robot está equipado com microfones para captar – pela primeira vez na história – o áudio na superfície marciana.

Estamos prestes a experimentar Marte de uma forma totalmente nova. O Perseverance Rover da NASA dá hoje início a uma missão pioneira na superfície do planeta que os terráqueos mais adoram explorar. Munido de câmaras e microfones especiais (ou espaciais), o robot vai tentar perceber a existência de sinais de vida antiga no Planeta Vermelho e recolher/armazenar amostras para o futuro regresso à Terra.

Apesar de em outras missões alguns rovers terem ‘visto’, ‘tocado’, ‘provado’ e ‘cheirado’ Marte à sua própria maneira robótica, nenhum deles captou ainda o verdadeiro áudio no Planeta Vermelho. Por isso, o Perseverance está equipado com dois microfones. «Ter um som de outro planeta é outra forma de começarmos a aperceber-nos do que nos é familiar», disse Nina Lanza, líder da equipa de exploração espacial e planetária do Laboratório Nacional de Los Alamos do Departamento de Energia dos EUA, no Novo México, ao Space.com. «Irá acrescentar uma dimensão que tornará Marte um lugar mais real», disse ainda Lanza.

O novo rover, a peça central da missão Marte 2020, no valor de 2,7 mil milhões de dólares, não é no entanto o primeiro a transportar equipamento áudio para o Planeta Vermelho. A nave espacial Mars Polar Lander, da agência, tinha um microfone, e o Phoenix tinha igualmente um ‘mic’ incorporado na sua câmara. Mas nenhum devolveu quaisquer dados – a Mars Polar Lander caiu durante a sua tentativa de aterragem em Dezembro de 1999 e a câmara da Phoenix nunca foi ligada devido a preocupações de que a sua utilização pudesse complicar o processo de entrada, descida e aterragem. (A Phoenix aterrou em segurança em Maio de 2008 e encontrou gelo de água enterrado durante a sua bem sucedida missão à superfície).

O Perseverance tentará alcançar o que a Phoenix não conseguiu – gravar os sons da sua assustadora sequência de aterragem, os «sete minutos de terror». Durante o processo de entrada, descida e aterragem, o rover de seis rodas atingirá a atmosfera marciana a cerca de 20.116. km/h, lançará um pára-quedas supersónico e será rebaixado para o chão da cratera Jezero de 45 quilómetros sobre cabos por uma grua celeste movida a foguetes. Assim, o áudio captado pelo microfone do Perseverance e o vídeo de acompanhamento captado por sete câmaras será espantoso… se tudo correr conforme o planeado. «Vai ser mais uma oportunidade incrível», disse o músico Jason Achilles Mezilis, membro da equipa de áudio da missão, ao Space.com. «Se conseguirmos o áudio e o vídeo e conseguirmos emparelhá-los, será algo que nunca ninguém viu antes», referiu Mezilis.

Recorde-se ainda que o antecessor do Perseverance, a Curiosity, capturou imagens espantosas durante a entrada, descida e aterragem, em Agosto de 2012, mas a filmagem é silenciosa.

Microfone Mars 2020 EDL da DPA

O microfone Mars 2020 EDL foi construído pela empresa dinamarquesa DPA Microphones. Tem um disco digital que lhe permite ser ligado a um telemóvel através de uma interface USB – uma característica que também permite a ligação com o computador de um rover. «O disco era o ‘eureka!’ que procurávamos», disse Dave Gruel, o engenheiro chefe do subsistema de câmara e microfone EDL. «A partir daí, pudemos basear um microfone muito capaz e robusto como parte do nosso sistema de câmara EDL», acrescentou Gruel, que está baseado no Laboratório de Propulsão a Jacto (JPL) da NASA, no sul da Califórnia, e que gere a missão Marte 2020.

Gruel e a sua equipa não precisaram de muito para ter o microfone EDL pronto a tempo e horas. Construíram um suporte para incluir no corpo do Perseverance e instalaram um ecrã para manter o pó marciano fora do diafragma do microfone, a membrana que vibra em resposta às ondas sonoras. Também removeram a placa electrónica do disco digital e reembalaram-na de forma a permitir que fosse aparafusada firmemente ao rover.

O microfone EDL passou três testes de saúde durante o voo, disse Gruel, e o instrumento captou com sucesso as vibrações mecânicas geradas por uma das bombas do Perseverance em Outubro. (O rover lançado a 30 de Julho de 2020.) Por isso, Gruel está «cautelosamente optimista» de que o microfone funcionará. «Se estiver a funcionar durante toda a fase de entrada, descida e aterragem e chegar à superfície com sucesso, penso que vai continuar a funcionar durante um período de tempo», disse Gruel. O microfone EDL não está, porém, optimizado para as duras condições de Marte, pelo que as sempre rígidas temperaturas do planeta irão provavelmente deteriorar os seus componentes «mais cedo ou mais tarde», admitiu Gruel.

EGITANA