Um dos Últimos Concertos de Miles Davis Eternizado em Disco

Um dos Últimos Concertos de Miles Davis Eternizado em Disco

Redacção

Menos de três meses antes da sua morte em 1991, Miles Davis realizou um dos seus últimos concertos no Festival de Jazz de Vienne, em França. A gravação desse concerto verá finalmente a luz do dia na forma de álbum no 25 de Junho, através da Rhino Records.

No dia 1 de julho de 1991, Miles Davis atuou com o Miles Davis Group no festival Jazz à Vienne, em França. Infelizmente, foi um dos seus últimos concertos antes do seu falecimento, em 28 de S etembro desse ano. Esta gravação inédita será lançada no dia 25 de Junho, integrada na campanha “Black Music Month”, uma iniciativa da Rhino Records.

O lançamento da performance electrizante de Davis faz parte da celebração do Mês da Música Negra da Rhino, e estará disponível nos formatos digital, dois CD ou duplo LP. O pacote inclui notas de capa do historiador e produtor musical Ashley Kahn e obras de arte concebidas por Bruno Tilley. O conjunto de nove canções interpretadas pelo The Miles Davis Group inclui material dos últimos álbuns de Davis, destacando-se “Penetration” e “Jailbait”, duas canções escritas por Prince para Miles Davis em 1988.

Em 1991, o trompetista mais famoso do mundo já tinha passado por cinco décadas de evolução musical – dele e do mundo à sua volta. Miles Davis combinou o jazz com ideias clássicas, com o R&B, o rock e o funk, criando obras híbridas que moldaram a música popular e o tornaram lendário. Em 1985, depois de 30 anos com a Columbia, Miles Davis assinou pela Warner Bros. Records (hoje Warner Records), uma editora com grandes artistas como Madonna, Van Halen e Prince.

01. Hannibal; 02. Human Nature; 03. Time after Time; 04. Penetration; 05. Wrinkle; 06. Amandla; 07. Jailbait

As pré-encomendas de “Merci Miles! Live At Vienne” já estão em curso e os primeiros a comprarem o disco ao vivo de Miles receberão um poster desdobrável e um postal especial.

A Rhino Records tem vindo a celebrar a influência da música negra na cultura popular durante o último ano com reedições de Aretha Franklin, Chaka Khan, Donny Hathaway, Nina Simone e Ray Charles. «Estes influentes artistas negros lideraram revoluções culturais, sociais e políticas que ainda soam verdadeiras em 2021», disse a editora num comunicado de imprensa.

Assim, em Junho e Julho próximos, no âmbito da campanha “Black Music Month”, vão ser reeditadas obras clássicas de alguns dos maiores artistas do mundo, incluindo Charles Mingus, Curtis Mayfield, Milt Jackson & Ray Charles, Zapp & Roger, The Drifters e The Time, bem como música inédita de Miles Davis e Roberta Flack.

4 de Junho
Vários artistas – Intro Documentary Soundtrack Playlist (digital)

 11 de Junho
Charles Mingus – Mingus At Carnegie Hall (Deluxe Edition) – 2 CDs
Milt Jackson & Ray Charles – Soul Brothers – 1 LP
Zapp & Roger – All The Greatest Hits – 2 LPs

25 de Junho
Miles Davis – Merci, Miles! Live at Vienne – 2 CDs
Miles Davis – Merci, Miles! Live at Vienne – 2 LPs
The Drifters – Golden Hits – 1 LP
Roberta Flack – Chapter Two 50th Anniversary Digital Expanded
Roberta Flack – Quiet Fire 50th Anniversary Digital Expanded

16 de Julho
Charles Mingus – Live at Carnegie Hall – 3 LPs
Curtis Mayfield – CURTIS! 50th Anniversary Edition – 2 LPs
The Time – The Time (Expanded Edition) – 2 LPs

Enfrentamos tempos de incerteza e a imprensa não é excepção. Ainda mais a imprensa musical que, como tantos outros, vê o seu sector sofrer com a paralisação imposta pelas medidas de combate à pandemia. Uns são filhos e outros enteados. A AS não vai ter direito a um tostão dos infames 15 milhões de publicidade institucional. Também não nos sentimos confortáveis em pedir doações a quem nos lê. A forma de nos ajudarem é considerarem desbloquear os inibidores de publicidade no nosso website e, se gostam dos nossos conteúdos, comprarem um dos nossos exemplares impressos, através da nossa LOJA.

EGITANA