Chegou a Sequence Groovebox para tocar bateria em smartphones Android

Chegou a Sequence Groovebox para tocar bateria em smartphones Android

Redacção

Embora, em termos criativos, ainda fique atrás do iOS como sistema operativo móvel, o Android está finalmente a começar a ter algumas boas opções para fazer música. A mais recente é a Sequence Groovebox da Steinberg.

Será a Sequence Groovebox a melhor aplicação para fazer música em ambiente Android de que já ouvimos falar? Pelo menos, essa é a questão colocada pela empresa produtora da nova caixa de ritmos para telemóveis. E se por acaso andas à procura de algo um pouco mais leve que uma DAW para fazeres os teus próprios beats – no teu smartphone -, então estás no sítio certo.

Equipado com um UX 100% nativo Android, esta Groovebox foi concebida para ser simples de utilizar, mas com uma profundidade suficiente para não ser descartável. A premissa é a mesma de tantas outras caixas de ritmo, sejam na forma de hardware ou software: criar frases rítmicas e melódicas e tocá-las em conjunto para criar canções. Simples, não é?

Com a Sequence Groovebox, podes fazê-lo utilizando um sampler baseado num pad (cada um dos 16 pads pode ser editado individualmente e recebe muitos kits de bateria para tocar) e um sintetizador analógico virtual de dois osciladores. Este é totalmente editável e pode ser tocado a partir de um teclado bastante reactivo no ecrã. Também tem a opção de tocar instrumentos editáveis baseados em samples melódicos (piano, baixo, cordas, etc.) a partir do teclado.

Os padrões rítmicos podem ser editados e depois sequenciados, podendo-se accionar clips individualmente ou disparar faixas inteiras. Mas há mais funcionalidades a caminho: o programador garante que em breve teremos suporte para teclado MIDI. A Sequence Groovebox pode ser descarregada gratuitamente do Google Play ou pagando cerca de 5€ para a versão premium.

Enfrentamos tempos de incerteza e a imprensa não é excepção. Ainda mais a imprensa musical que, como tantos outros, vê o seu sector sofrer com a paralisação imposta pelas medidas de combate à pandemia. Uns são filhos e outros enteados. A AS não vai ter direito a um tostão dos infames 15 milhões de publicidade institucional. Também não nos sentimos confortáveis em pedir doações a quem nos lê. A forma de nos ajudarem é considerarem desbloquear os inibidores de publicidade no nosso website e, se gostam dos nossos conteúdos, comprarem um dos nossos exemplares impressos, através da nossa LOJA.

EGITANA