Hoof Reaper, Os Cascos da Besta

Hoof Reaper, Os Cascos da Besta

Nero

Foi originalmente concebido, em 2010, como uma unidade de edição limitada, entre os vários pedais fuzz de referência da marca, mas a procura manteve-se tão intensa que a EarthQuaker Devices teve que o tornar a produzir.

Para muitos este pedal é o pináculo dos fuzz da marca, e para muitos outros é mesmo o melhor fuzz do mercado, com o bónus de possuir um circuito analógico de uma oitava. O octaver possui enorme poder na criação de overtones e uma grande presença ligado a um amp. Cada um dos efeitos pode ser usado individualmente, em série ou paralelamente, claro. Ainda que tenha uma sequência de estágios que a marca recomenda para um crescendo de intensidade no sinal. É um monstro!

SPECS

O Hoof Reaper é, como referido, um pedal Fuzz/Octave. Possui I/O singulares de ¼’’. É um pedal True Bypass, alimentado por um transformador de 9V DC (vendido em separado), que junta os circuitos dos modelos fuzz da marca The Hoof e Tone Reaper. O fuzz neste pedal é um híbrido de germânio/silício, que permite maior amplitude dinâmica. Os três switch permitem sete configurações (Hoof, Reaper ou Octave isolados; e as combinações Reaper + Octave, Hoof + Octave, Hoof + Reaper e Hoof + Reaper + Octave). No circuito Tone Reaper há os controlos de Fuzz, Level e Tone. No circuito do Hoof os controlos são iguais, com o acréscimo do controlo de Shift.

SOM & PERFORMANCE

O Hoof Reaper, com todas estas opções de configuração, oferece várias soluções sonoras, capaz de garantir praticamente qualquer espectro de fuzz, mas a sua utilização é extremamente intuitiva. Os knobs estão agrupados para definir o Tone Reaper e o Hoof. O knob de Fuzz ajusta o sustain e carácter da distorção, o Level ajusta o volume de saída e o Tone ajusta o carácter de frequências do efeito – para a direita temos mais graves e para a esquerda mais agudos. Na metade do Hoof, os controlos são os mesmo e há ainda o knob Shift ajusta as frequências médias – mais pronunciadas consoante a rotação para a esquerda. O switch de Octave acrescenta uma oitava ao som.

PROS Excelência dos dois circuitos de fuzz originais; dimensão sonora e versatilidade dos circuitos numa única unidade; o brinde que é adicionado com o efeito Octave Up.

O “lado” do Tone Reaper dá-nos um som bem definido e dinâmico, características necessárias para uma boa distorção, capaz de rugir sem perder expressividade. Aumentar-lhe os graves, rodando o knob de Tone para a direita, não corta os agudos do efeito, antes funciona quase como um boost. Aliás, o maior problema do pedal (que não é problema algum) é a necessidade de se ter moderação ao puxar-lhe o low-end em cada um dos circuitos, porque com os dois carregados de graves, a sua junção pode causar demência! E só agora vamos mencionar o fuzz. Cujo sustain aumenta com o poder da saturação e a partir das “15h”, no sentido de ponteiros do relógio, praticamente elimina os traços originais do sinal, numa distorção irascível, ainda assim capaz de manter definição no som, quer em ritmos ou leads.

No “lado” do Hoof há ainda mais gain (se pensarmos nos knobs na posição do “meio-dia”) e o carácter sonoro é um pouco mais espesso, mais filtrado. Contudo, essa coloração é facilmente contornada com a acção do Shift, que em conjugação com o controlo de Tone aumenta bastante a versatilidade do circuito a nível de frequências, principalmente médias. Esse comportamento do controlo é essencial para manter a definição na demência de sinal que se obtém ao activar ambos os circuitos em simultâneo. Depois, a intensidade do fuzz com os dois circuitos activos talvez seja demasiada para algumas sonoridades ou preferências pessoais, afinal a sujidade e poder do efeito vai bem longe e muito além do que se ouve habitualmente num circuito de fuzz singular, ficando bastante semelhante (numa configuração “a meio” da capacidade) da colisão entre um Big Muff e a distorção de um Rectifier. Mas mesmo para quem não necessita duma expressão tão extrema do efeito fuzz, vale a pena ponderar ter este pedal, que garante dois excelentes circuitos fuzz numa única unidade.

CONS Nem todos os músicos necessitam ou apreciam tal irascibilidade ou intensidade que o fuzz dos circuitos em simultâneo oferece; o efeito Octave Up não é muito expressivo com som limpo.

E, além disso, a função Octave Up. O carácter sonoro deste efeito aproxima-se de um clássico Octavia, e o músculo e o próprio ataque que acrescenta ao som de distorção com os dois circuitos ligados em simultâneo, tem resultados excitantes, com excelente resposta de frequências médias-altas. Não tem um comportamento tão substancial sendo usado com som limpo mas, na verdade, incluído num pedal que reúne e soma dois tipos de fuzz, não parece ser essa a característica que mais se espera do efeito. Também não existirá função de oitava abaixo, o que tornaria o som do pedal (em uso dos dois circuitos fuzz ao mesmo tempo) um autêntico pântano.

Portanto, dois excelentes pedais fuzz, numa única unidade, permitindo maior amplitude de soluções sonoras e de gain, mais um efeito Octave. Tudo com os componentes sólidos da EarthQuaker Devices. Tendo tudo isto em consideração, o preço não deixa de exigir ponderação, mas pelo carácter boutique do pedal, não é despropositado, até pelo preço singular do The Hoof e do Tone Reaper.

EGITANA