Está Quase A Chegar O SQ-64: O Novo E Poderoso Sequenciador Polifónico Da Korg

Está Quase A Chegar O SQ-64: O Novo E Poderoso Sequenciador Polifónico Da Korg

Redacção

O novo Korg SQ-64 é um poderoso sequenciador polifónico com 64 memórias e muito mais características que fazem desta uma máquina a ter em conta em qualquer set electrónico. Chega no início de 2021.

Com base no sucesso do SQ-1, a Korg elevou consideravelmente a fasquia com o lançamento do SQ-64 Poly Sequencer, uma oferta polifónica com consideravelmente mais potência e flexibilidade – na realidade, é um sequenciador de passos polifónico 4 x 64.

Existem três pistas melódicas, cada uma das quais oferece saídas Pitch, Mod e Gate CV dedicadas ou até oito vozes de polifonia quando ligadas através de MIDI (uma Entrada e duas Saídas). Além disso, há uma pista Drum/Sub com 16 saídas para trigger – oito portas CV e oito MIDI – dando-lhe 16 vozes monofónicas. A tecnologia de Audio Sync do Korg também é suportada.

Quando se trata da sequência real, o SQ-64 tem opções de aleatorização profunda. Pode variar o passo seguinte de quatro possibilidades dentro da sua sequência e tornar aleatória uma sequência inteira ou apenas o primeiro passo. Também pode inverter a ordem de reprodução do sequenciador.

Outras variações podem ser introduzidas através da opção morphing das tensões de controlo, havendo ainda lugar para um arpeggiator. Também há muito feedback visual: cada um dos 64 blocos com luz de fundo matriz tem LEDs graduados para indicar o nível de controlo e há um ecrã OLED para que se possa ver o que se passa em qualquer altura. Também dá para utilizar os blocos como teclado e reproduzir e/ou gravar em tempo real.

O SQ-64 tem 64 memórias de projecto, com um projecto que inclui essas três faixas melódicas e uma faixa de Bareria/Sub. Um projecto pode ter 16 padrões, com cada um destes a ter até 64 passos. Espera-se que o SQ-64 aterre no mercado no início de 2021 ao preço de 299€. Sabe mais aqui e espreita o vídeo de demonstração em baixo.

Enfrentamos tempos de incerteza e a imprensa não é excepção. Ainda mais a imprensa musical que, como tantos outros, vê o seu sector sofrer com a paralisação imposta pelas medidas de combate à pandemia. Uns são filhos e outros enteados. A AS não vai ter direito a um tostão dos infames 15 milhões de publicidade institucional. Também não nos sentimos confortáveis em pedir doações a quem nos lê. A forma de nos ajudarem é considerarem desbloquear os inibidores de publicidade no nosso website e, se gostam dos nossos conteúdos, comprarem um dos nossos exemplares impressos, através da nossa LOJA.

EGITANA