Fender Brad Paisley Signature Esquire

Fender Brad Paisley Signature Esquire

Redacção

A Fender tornou a criar um modelo de assinatura para o aclamado guitarrista da country music, desta vez uma versão da lendária Esquire cheia de twists.

Com acabamento num deslumbrante lacado Black Sparkle Road Worn, esta inovadora versão da nossa maravilha original de pickup singular possui novas madeiras, um braço maple em perfil Enhanced “V” e um personalizado Seymour Duncan Secret Agent, escondido sob o pickguard.

A guitarra apresenta um corpo em paulownia (madeira asiática), com tampo e face posterior em spruce. Esta combinação de madeiras bastante leves, segundo o press da Fender, empresta ao instrumento um carácter com ressonância aproximada à de um modelo acústico. Aparafusado ao corpo está um braço em maple com 9.5” de raio na escala. O perfil é o clássico “V”, bastante próximo do modelo original, portanto.

O pickup “escondido” é outras das grandes inovações ao tradicional design de pickup singular. Pois, ao single-coil Fender ’64 Tele da ponte, junta-se essa unidade (também single-coil) que Paisley criou com a Seymour Duncan. O facto de surgir de forma tão pouco impositiva no design permite que seja mantido aquele carácter sónico muito aberto e agressivo da Esquire, mas oferecendo uma versatilidade muito superior à do histórico modelo.

Paisley deixou palavras sobre este modelo de assinatura: «Porquê uma Esquire? A agressividade do pickup singular, da ponte em aço, saddles de bronze, tudo desobstruído, um excelente bloco de madeira. Não há nada igual». O guitarrista acrescentou ainda: «A Esquire é muito simplificada, uma excelente ferramenta de trabalho. É muito importante, para mim, ouvir-se um eco do passado naquilo que faço e, nesse sentido, esta guitarra engloba o que procuro fazer musicalmente. Dá uma sensação retro, mas, ao mesmo tempo, é progressiva, com um novo estilo de pickup nunca antes feito».

Mais info na Fender. Vídeo de demonstração oficial no player.

Enfrentamos tempos de incerteza e a imprensa não é excepção. Ainda mais a imprensa musical que, como tantos outros, vê o seu sector sofrer com a paralisação imposta pelas medidas de combate à pandemia. Uns são filhos e outros enteados. A AS não vai ter direito a um tostão dos infames 15 milhões de publicidade institucional. Também não nos sentimos confortáveis em pedir doações a quem nos lê. A forma de nos ajudarem é considerarem desbloquear os inibidores de publicidade no nosso website e, se gostam dos nossos conteúdos, comprarem um dos nossos exemplares impressos, através da nossa LOJA.

EGITANA