M-Audio, Nova Vida nos Teclados MIDI Oxygen

M-Audio, Nova Vida nos Teclados MIDI Oxygen

Redacção

A M-Audio deu nova vida às últimas versões da gama de teclados MIDI Oxygen, conhecidas como os modelos MKV, acrescentando controlos inteligentes, auto-mapeamento, um arpeggiator e exemplares com 25, 49 e 61 teclas, todas de tamanho normal e sensíveis à velocidade.

A M-Audio continua a rever a sua gama clássica de teclados MIDI Oxygen, apresentando agora novos modelos com 25, 49 e 61 teclas, todas de tamanho normal, sensíveis à velocidade, com faders e pads de trigger.

Mas há mais. Há Smart Controls, que se relacionam com acordes e escalas. Com a função Smart Chord, é possível tocar acordes completos premindo uma única tecla, enquanto a opção Smart Scale assegura que só se poderá tocar notas da escala escolhida. Ambas as características são personalizáveis, havendo mais de 15 variações de escala diferentes.

De resto, a função Auto-Mapping foi concebida para simplificar processos, com múltiplos controlos – Transport, Faders, Pan, Record Arm, Solo, Mute e Select -, sendo automaticamente configurada para a tua DAW.

Segundo a M-Audio, a maioria dos principais softwares de edição são suportados, incluindo Ableton Live, Logic Pro, Pro Tools, MPC Beats, Cubase e Studio One. Basta seleccionar a DAW em questão no Oxygen (MKV) e escolher as definições de preferências na DAW.

Por sua vez, o arpeggiator personalizável permite ajustar as definições de Type, Octave, Gate e Swing e pode funcionar nos modos Latch e Momentary. Tal como acontece com outros teclados MIDI, os novos Oxygen vêm com uma série de ferramentas de software juntamente com 60 aulas gratuitas da Melodics e uma subscrição de 3 meses da aplicação Skoove.

Os teclados da série Oxygen (MKV) estão agora disponíveis a um preço de £90/£130/£170 para os modelos de 25/49/61 teclas, respectivamente. Para mais informações, entra aqui e assiste ao vídeo de demonstração da marca.

Enfrentamos tempos de incerteza e a imprensa não é excepção. Ainda mais a imprensa musical que, como tantos outros, vê o seu sector sofrer com a paralisação imposta pelas medidas de combate à pandemia. Uns são filhos e outros enteados. A AS não vai ter direito a um tostão dos infames 15 milhões de publicidade institucional. Também não nos sentimos confortáveis em pedir doações a quem nos lê. A forma de nos ajudarem é considerarem desbloquear os inibidores de publicidade no nosso website e, se gostam dos nossos conteúdos, comprarem um dos nossos exemplares impressos, através da nossa LOJA.

EGITANA