O Som de Mike McCready & Stone Gossard em Ten

O Som de Mike McCready & Stone Gossard em Ten

Nero

A sombra de Stevie Ray Vaughan, os rigs e a simbiose dos dois guitarristas num dos mais marcantes álbuns na história da guitarra eléctrica.

Gravado há 25 anos, o primeiro álbum dos Pearl Jam não é apenas um dos melhores álbuns da banda. É um álbum axiomático nos anos 90 e um dos melhores na história do rock. Muito por culpa da sinergia das guitarras de Stone Gossard e Mike McCready e do seu corpo sonoro que, com o decorrer dos anos, a banda passou a lamentar, usando o termo “over-rocked” para descrever a insatisfação com a mistura do álbum.

Em Março de 1991, nos estúdios London Bridge, em Seattle, a banda gravou rapidamente o álbum. As sessões de pré-produção haviam sido meticulosas, incluindo umas primeiras sessões nos mesmos London Bridge, em Janeiro desse ano, de onde emergiu “Alive”. Foi também nesse período que surgiu a pungente “Jeremy”, autoria de Jeff Ament. Compositor principal do álbum, Gossard escreveu “Once”, “Even Flow”, “Alive”, “Black”, “Oceans”, “Garden” e “Deep”.

Bem preparados, foi nas sessões de Março a Maio que se consolidaram os temas e emergiu a força dinâmica entre Gossard e McCready, imortalizando as composições do primeiro através solidez rítmica, som cru e elegância clássica que servem de testemunho contra quem gosta de usar o tal chavão de que as bandas de Seattle “mataram o rock”.

Gossard explorou várias afinações alternativas, como o drop-D de “Garden”, enquanto McCready trabalhava os solos e melodias, por cima dos riffs e estruturas do colega, com uma afinação normal. “Even Flow” é outro exemplo e foi explicado por McCready à Guitar School. «O Stone escreveu a canção e aquele riff. Creio que está afinado em Ré, mas eu uso um padrão normal para o seguir», o guitarrista, explicando os seus os solos, revela uma das suas maiores influências: «É a minha tentativa de imitar Stevie Ray Vaughan, um esforço débil. Tentei roubar tudo o que conheço de Stevie Ray Vaughan e colocá-lo nessa canção. É um autêntico rip-off».

O mago do blues está também omnipresente em “Black”, segundo McCready:«É mais gamanço ao Stevie, quando toco aquelas pequenas flutuações. Sempre achei a canção linda. O Stone escreveu-a e deixou-me fazer o que quis».

mccready-strat-2

A icónica e escavacada Fender Stratocaster Sunburst de McCready é um modelo de ’59

Para desenvolverem a sua sonoridade conjunta no álbum, nas guitarras foi adoptado um cruzamento canónico. Mike McCready usou principalmente modelos Stratocaster, destacando-se a Sunburst de ’59, que tem acompanhado o guitarrista desde sempre. Durante muito tempo existiu o rumor de que a guitarra teria pertencido a Stevie Ray Vaughan e que McCready a havia comprado em leilão.

Nesta época vê-se amiúde outra Strat de ’59 – modelo branco (na imagem de entrada do artigo) que se vê ser arremessado no final do vídeo de “Even Flow”). Gossard usou principalmente dois modelos Les Paul Custom Goldtop, um de ’54 e outro de ’72, além da Sunburst que antecede os próprios Pearl Jam, vindo já de quando tocava nos Mother Love Bone.

Não há muitas fontes a respeito dos rigs dos guitarristas nessa altura e, pelo que se pode ver em imagens de concertos, há alguma disparidade de opiniões quanto aos pedais usados por cada um. Além disso, os dois mudam constantemente o material que usam, sendo difícil traçar uma cronologia até “Ten”. Nos amps sabe-se que ambos usavam Marshall JCM800 e JMP, os modelos 2204.  Além de Marshall, McCready usava um Fender Bassman, a versão combo 4×10, e Gossard modelos Fender Twin.

Os dois guitarristas recorriam a uma unidade Ernie Ball Pan Pedal para os misturar, tal como Stone Gossard chegou a referir: «O pedal permite-me alternar entre o som Twin limpo e a distorção Marshall ou usar ambos em stereo. Os dois misturados, cada um a meio gás, é que dá aquele som Rolling Stones».

mccready-dist

Um SansAmp original e o super clássico TS-9 foram os pilares de distorção nas guitarras de Mike McCready

Nenhum dos dois guitarristas recorreu a muitos efeitos nas guitarras de “Ten”. Para distorção, Mike McCready usava uma unidade SansAmp e um Ibanez TS-9 Tube Screamer. Há imagens da altura em que se vê uma unidade multi-efeitos da TC Electronic. Muito usado foi um Dunlop Rotovibe, tal como um modelo normal Dunlop Crybaby. Gossard usou uma som ainda mais cru, imitando o colega no Tube Screamer e com pouco mais que um Boss Stereo Chorus.