Coldplay

2012-05-18, Estádio do Dragão, Porto
Inês Barrau
8

Depois de uma semana de calor, São Pedro parecia querer tirar algum brilho a uma noite que prometia ser grandiosa.

Quando a Arte Sonora chegou ao estádio do Dragão, debaixo de uma chuva intensa, estava em palco Rira Ora que entre originais e covers, a destacar “Say My Name” das Destiny’s Child e “Heartbeat” de Nneka, ia animando a entrada do público no Estádio do Dragão, já bastante composto. Segue-se Marina and the Diamonds, que já nos tinha presenteado com uma fantástica prestação na última edição do Festival Paredes de Coura, e aqui no Porto acabou por ser uma presença menos interessante, mas muito por causa do mau tempo que tirou algum brilho à performance de Marina – que curiosamente subiu ao palco de vestido justo brilhante e com um chapéu de chuva, chuva essa que teimava em não passar. Tanto os músicos de Rita Ora como de Marina actuaram debaixo de uns toldos, que impedia que fossem vistos, bem como aos instrumentos que estavam a usar. Marina and the Diamonds foram aquecendo o público com temas como “I’m Not A Robot”, “Living Dead”, “Bubblegum Bitch” e no final com alguns problemas técnicos e alguma confusão entre a vocalista e a banda, lá saiu e a finalizar “Primadonna”.

A hora para a entrada dos campeões em vendas e prémios no Estádio do Dragão estava aproximar-se, e o público impaciente ia cantando, fazendo as tradicionais ondas humanas, pulando, e nem a chuva diminuiu a sua energia. Foram distribuídas pulseiras luminosas de várias cores e iam passando avisos para serem postas, pois estas também fariam parte do espectáculo. Estava assim criado o ambiente ideal para receber Chris Martin [voz, piano, guitarra], Jon Buckland [guitarra], Guy Berryman [baixo] e Will Champion [bateria].

Em termos de produção, é um concerto grandioso: foi montado um palco com vários ecrãs gigantes em forma de círculos coloridos, e constituído por 3 passadeiras que permitiam uma maior interacção com o público.

Ao som da banda sonora do filme “Regresso ao Futuro”, os Coldplay entram em palco e à semelhança do seu mais recente álbum começam com “Mylo Xyloto” e “Hurts Like Even”, que foram acompanhados de muita luz e cor, tendo em conta as pulseiras que foram distribuídas pelo público, sem esquecer a pirotecnia. Sem dúvida ingredientes para um bom início que levou ao delírio do público. Chris Martin mostrava-se bem disposto, comunicativo e energético, para gáudio dos cerca de 50 mil fãs que estavam no estádio.

A música que se segue é “In My Place“. Chris Martin dirige algumas palavras de agradecimento a todos os que estavam presentes, apesar da chuva, e promete que será uma noite fantástica. Voltando ao novo álbum ouve-se “Major Minus”. Com “Lovers In Japan” vieram as bolas gigantes e de seguida mais um sucesso da banda, “The Scientist“, que começou com “Come up to Porto” (desta vez Chris Martin sabia onde estava, facto que não aconteceu aquando da sua passagem pelo Optimus Alive, em Oeiras), que foi um dos momentos de plena comunhão com o público, que cantou em uníssono e acompanhou a banda na perfeição. Com o vocalista ao piano o palco ilumina-se em tons de amarelo e ouvem-se os primeiros acordes de um dos grandes êxitos de Coldplay, “Yellow”.

[Fazendo um parêntesis, em entrevista à AS#25 o guitarrista Felix White confessou-nos onde Chris Martin se inspirou para compor “Yellow”: “Aparentemente o Chris Martin, quando os Coldplay estavam a gravar o “Parachutes”, não estava a conseguir completar um dos temas, a banda fez um intervalo e nas traseiras do estúdio está um campo à luz das estrelas, com as flores, que ganha uma tonalidade amarela… e ficou “Yellow”.”]

 

De fora da set list não ficou “Violet Hill” de “Viva la Vida” ou “God Put A Smile Upon Your Face” do álbum “A Rush of Blood to the Head.”

A chuva continua. A banda chega-se mais à frente, e numa espécie de mini palco, no meio do público e num registo que diria mais intimista, toca “Princess of China” com a presença de Rihanna nos ecrãs gigantes, “Up in Flames” e “Warning Sign“.

De regresso ao palco principal, segue-se “Don’t Let It Break Your Heart“, e “Viva La Vida“, uma das músicas mais esperadas pelo público que desde o início ansiava por cantar os famosos “ohohoh”.

“Let’s jump! Let’s jump!” pedia o vocalista para “Charlie Brown” e para fechar antes do habitual encore estava “Paradise” o single de maior êxito de “Mylo Xyloto“. Goste-se ou não de Coldplay, é inegável que em todos os álbuns a banda consegue compor singles simples e que rapidamente entram no ouvido do público de massas, e “Paradise” é mais um desses exemplos, que o público presente canta do principio ao fim.

Inesperadamente, o encore é feito num palco montado no lado oposto ao principal, o que provoca uma agitação e uma mudança de direcção entre o público que se encontrava no relvado, para tentar estar o mais perto possível da banda. Aparece primeiro Chris Martin e seguidamente junta-se a restante banda, agora com o baterista Will Champion agarrado às teclas. E num formato semi acústico ouvimos “Us Against The WorldSpeed Of Sound.”

Pela lateral do estádio, Coldplay em passo de corrida regressam ao palco inicial e ouvimos outros dois êxitos da banda, “Clocks” e “Fix You“. O público estava ao rubro. “Every Teardrop is a Waterfall” foi escolhida para finalizar esta passagem de Coldplay por Portugal, uma noite que acabou em grande festa, com pirotécnica, cor e luz.

No final, o público e banda mostravam-se satisfeitos. Foi sem dúvida um grande espectáculo, bem pensado e construído para agradar aos fãs.  E a saída do estádio, foi feita ainda em festa e a cantar.