Rock in Rio Lisboa: Palco Vodafone – 1º dia

Rock in Rio Lisboa: Palco Vodafone – 1º dia

2016-05-19, Rock in Rio Lisboa
Bernardo Carreiras
7
  • 6
  • 7
  • 8

The Sunflowers, Keep Razors Sharp e Black Lips abriram as hostes do festival.

A primeira tarde de concertos no Palco Vodafone do Rock in Rio começou a meio gás. Afinal, a um dia de semana, ainda faltava um pouco para as cinco da tarde e já os The Sunflowers entravam no palco secundário do RIR.

The Sunflowers | O duo nortenho de garage rock começou o seu set de forma tímida e pouco se ouvia o que tinham para dar. Por um lado devido a um público quase inexistente (e sem interesse no que se estava a passar), por outro pela dimensão megalómana do palco que talvez não seja a mais indicada para uma banda que está habituada a tocar em ciclos mais  intimistas. Singles como “Charlie Don´t Surf”, “Witch” ou a mais recente “Hasta La Pizza/Rest in Pepperoni” fizeram parte da setlist de quase uma hora de concerto. Os riffs solarengos do conjunto ganharam outra camada quando subiu ao palco um convidado para tocar baixo.O concerto terminou com uma inversão de papéis. O guitarrista (Carlos) trocou de lugar com a baterista (Carol)para nos presentearem com um cover orelhudo da “I wanna be your dog” dos The Stooges.

Keep Razors Sharp | O supergrupo que reúne elementos de vários projectos como Sean Riley & The Slowriders ou Capitão Fantasma entrou de seguida em palco. Os Keep Razors Sharp, responsáveis pelo álbum “Scars & Bones” (chancela da Nos Discos), começou o concerto com a imponência a que já nos habituaram. Com os primeiros riffs com um toque a la Fuzz a ressoarem,  as pessoas foram progressivamente ficando mais interessadas aproximando-se a pouco e pouco do palco depois dos inúmeros pedidos do vocalista Rai“O rock and roll nunca mordeu ninguém”.  Infelizmente ,o Rock in Rio  parece ainda não ter escapado do estigma de um público que só lá vai  para receber brindes ou andar de slide, uma vez que este mesmo não parece minimamente interessado na música que está a decorrer,demostrando pouco respeito pelos artistas. O destaque deste concerto vai para “The Lioness” e “By the Sea”, singles bem concebidos do disco que remonta já ao ano de 2014. “I see her face” foi outra das músicas presentes na setlist. Durante uma hora de espectáculo, os Keep Razors Sharp mostraram-nos que o rock and roll em Portugal está vivo e encontra-se de boa saúde.

Black Lips
O fechar do palco alternativo ficou a cargo dos georgianos Black Lips. A banda de Cole Alexander (vocalista e guitarrista), mostrou mais uma vez que a fama de “Bad Kids” que os persegue não é em vão. Das cuspidelas para o ar constantes  aos inúmeros rolos de papel higiénico que voaram, o conjunto de garage rock fez o seu espectáculo com o toque da arruaça punk que lhes é tão própria. Toda a energia contagiante pareceu resultar e finalmente viu-se alguma vida por parte do público do RIR. Os coros que se fizeram ouvir em hits como “Boys in the Hood” ou “Bad Kids” foram apenas alguns dos destaques deste concerto. Com já sete álbuns, muitos foram os temas que ficaram fora desta set list reduzida, provavelmente face ao tempo que lhes foi imposto. Entre outras canções, destacaram-se igualmente “O Katrina!”, “Family Tree” ou “Modern Art” como os momentos altos de mais um bom concerto por parte do conjunto. Sempre fiéis a si próprios, os Black Lips trouxeram a ventania consigo e vieram agitar um pouco a Bela Vista.