The Black Heart Rebellion, Xamãs Urbanos

The Black Heart Rebellion, Xamãs Urbanos

2016-08-21, Hard Club, Porto
Nero
8
  • 7
  • 9
  • 8
  • 9

Os belgas tornaram o seu concerto no Amplifest 2016 num ritual fascinante, denso e hermético.

Os belgas conseguiram um concerto mais forte que aquele da sua passagem por Lisboa, no Burning Light Fest. Acolhido pela excelente acústica da sala 1 do Hard Club, a manifestação de “iniciática urbana” que tem sido desenvolvida nos seus trabalhos, culminada em “People, when you see the smoke, do not think it is fields they’re burning”, ganhou uma dimensão xamânica.

A prestação vocal de Pieter Uyttenhove foi arrebatadora

O último álbum foi a base de um ritual passionalmente liderado pela ferocidade de Pieter Uyttenhove. Carismático e a transbordar um charme art rock e new wave evocador da elegância de Brian Ferry, o frontman teve uma prestação vocal arrebatadora. Inspirados no seu presidente litúrgico, os The Black Heart Rebellion conseguiram ser tão transparentes como herméticos, tão minimalistas como complexos.

Mais que as origens pós-hardcore, os belgas tornaram-se donos de um tipo de peso diferente: da hierofania dos arquétipos do espírito humano, mesmo numa era cínica como aquela em que vivemos. O zénite da actuação surgiu na execução do coração do álbum de 2015, com a tríade “Flower Bone Ornaments”, “Bow And Silk Arrow” e “Near To Fire For Bricks”.

Fotos | Pedro Roque