A Última Entrevista de Syd Barrett

A Última Entrevista de Syd Barrett

Redacção

Em 1982, dois jornalistas franceses conseguiram entrar em contacto com o frontman original dos Pink Floyd. Seguiu-se uma curta conversa com Syd Barrett, à porta da casa da sua mãe, que acabou por tornar-se a sua última entrevista.

Em 1982, completava-se praticamente uma década de reclusão de Syd Barrett. O frontman original dos Pink Floyd retirara-se da vida pública e social em 1972. Nesse ano, os jornalistas franceses Michka Assayas e Thomas Johnson, para a publicação Actuel Magazine, conseguiram contactar com o músico. O encontro teve lugar em Cambridge, no exterior da casa de Winifred Barrett, a mãe de Syd. A curtíssima conversa, onde é bem explícito todo o desconforto do músico, acabou por ser a última entrevista de Syd Barrett e pode ser lida integralmente na Cosmic.

Aí, está também, transcrito o breve encontro em 2001 com um jornalista do The Guardian que, dando de caras com Barrett, o tentou entrevistar, perguntando-lhe se era ele Syd Barrett que tocara nos Pink Floyd, ao que o músico respondeu: «Nunca ouvi falar dele. É um desses rappers?» Barret morreu vários anos depois, a 7 de Julho de 2006, devido a cancro pancreático.

Apesar da sua breve passagem pela banda, apenas cerca de 3 anos, o contributo de Barrett foi inestimável para que os Pink Floyd se tornassem numa das mais conhecidas e influentes bandas de rock do mundo. A Syd Barrett, a banda deve não só o nome, mas também o facto de se ter encaminhado para o rock progressivo e psicadélico. Foi Barrett quem escreveu a maioria das músicas do primeiro álbum de Pink Floyd, lançado em 1967, “The Piper at the Gates of Dawn”, onde também ficou a cargo da voz e da guitarra.

No entanto, o miúdo que apenas sonhava «tocar guitarra decentemente e andar aos pulos», rapidamente entrou em declínio mental, para o qual muito contribuiu o consumo de LSD, que o deixou por diversas vezes incapaz de actuar. Por esse motivo, David Gilmour foi chamado para substituir Barrett nas actuações ao vivo [Gilmour fez imensos concertos escondido atrás do backline, até ser oficialmente reconhecido como elemento do grupo].

O segundo álbum da banda, “A Saucerful of Secrets”, editado em 1968, torna-se assim o único álbum com a participação de todos os elementos que fizeram parte dos Pink Floyd, sendo que Syd Barrett apenas gravou guitarra em 3 temas e voz num, ficando os restantes a cargo de Gilmour.