CEO do Spotify Posiciona-se Para Comprar o Arsenal

CEO do Spotify Posiciona-se Para Comprar o Arsenal

Redacção

Com os proprietários do Arsenal Football Club sob fogo, após a adesão ao projecto European Super League, Daniel EK, o CEO do Spotify, diz-se disponível para comprar o clube.

Os fãs do Arsenal querem desesperadamente que Stan Kroenke venda o clube. O empresário americano já tinha um mau relacionamento com os fãs londrinos e este deteriorou-se ainda mais quando foi anunciado que o clube participaria na infame Superliga Europeia.

Desde então, como praticamente todos os outros clubes, os arsenalistas retiraram-se da competição, mas isso pouco fez para acalmar os adeptos. Milhares deles protestaram e apelaram a Kroenke para abandonar o clube antes do seu jogo contra o Everton, na sexta-feira, dia 23 de Abril.

Atento a tudo isto está Daniel Ek, CEO e fundador do Spotify, que anunciou o seu interesse em comprar o clube enquanto os fãs protestavam contra a propriedade de Kroenke. Ek escreveu no Twitter: «Em criança, desde que me lembro que torço pelo Arsenal. Se a KSE quiser vender o Arsenal, terei todo o gosto em fazer a minha oferta».

Segundo a Forbes, Ek tem um património líquido de 4.7 bilhões de dólares, o que significa que tem o dinheiro necessário para gerir o Arsenal. O sueco, que tem 38 anos, fundou o Spotify em 2006.

A empresa cresceu em popularidade ao longo dos anos e é agora um dos maiores fornecedores de serviços de streaming de música do mundo. É também alvo de muitas críticas, por se considerar obscenamente injusta a sua distribuição de lucros com aqueles que, verdadeiramente, fazem mover o Spotify, os criadores, os artistas. Além disso, Ek acusou mesmo os músicos de serem preguiçosos e gravarem com pouca frequência…

É uma situação ironicamente similar à da ideia da Superliga. Pena que, neste caso, os fãs não assumam a defesa dos músicos de modo similar à dos adeptos ingleses.

Enfrentamos tempos de incerteza e a imprensa não é excepção. Ainda mais a imprensa musical que, como tantos outros, vê o seu sector sofrer com a paralisação imposta pelas medidas de combate à pandemia. Uns são filhos e outros enteados. A AS não vai ter direito a um tostão dos infames 15 milhões de publicidade institucional. Também não nos sentimos confortáveis em pedir doações a quem nos lê. A forma de nos ajudarem é considerarem desbloquear os inibidores de publicidade no nosso website e, se gostam dos nossos conteúdos, comprarem um dos nossos exemplares impressos, através da nossa LOJA.
EGITANA