Como Iremos Ouvir Música Daqui a 10 Anos?

Como Iremos Ouvir Música Daqui a 10 Anos?

Redacção

Há vinte anos, pensávamos que os downloads de música eram a bomba. Era o futuro. Mas depois veio o streaming que permitiu um acesso sem paralelo a dezenas de milhões de canções. E agora, o que virá aí?

A MIDiA Research, através de Mark Mulligan, realizou um estudo sobre a forma como ouvíamos, ouvimos e ouviremos música e apresenta algumas ideias.

O presente mês de Julho marca 10 anos desde o lançamento do Spotify nos EUA. Embora a tendência entre alguns seja considerar este ano zero para o streaming (ignorando assim tudo o que aconteceu em anos anteriores, tanto dentro como fora dos EUA), representa uma oportunidade útil para reflectir sobre o que a próxima década poderá reservar para plataformas como o Spotify.

Em vez de nos concentrarmos na perspectiva empresarial, vamos explorar como o Spotify e outros serviços de streaming poderão mudar a forma como a música é consumida daqui a 10 anos.

Mas antes, prestemos atenção a três cenários de negócios rápidos para o Spotify no futuro próximo: 1) a plataforma continua a ser líder global, mas com uma quota de mercado reduzida devido ao aumento dos concorrentes regionais nos mercados emergentes; 2) perde a dinâmica do mercado, o preço das acções cai e é adquirido por outra entidade; 3) transforma-se numa verdadeira plataforma de criação e entretenimento multifacetada, fazendo pelo entretenimento o que a Amazon faz agora pelo retalho, mas com mais ferramentas e serviços.

É certo e sabido que, para mapear o futuro, é preciso conhecer o passado. Partindo dessa linha de raciocínio, estas são (algumas) das principais formas que transformaram a forma como nos envolvemos com a música: 1) ouvimos um maior número de artistas mas passamos menos tempo a ouvir artistas individuais; 2) ouvimos mais faixas e listas de reprodução, e menos álbuns; 3) a música é programada (por nós e por serviços de streaming) para funcionar como banda sonora para as nossas vidas e rotinas diárias; 4) as divisões de género estão a tornar-se menos significativas; 5) as marcas dos artistas estão a tornar-se menos visíveis; 6) o modo aleatório de reproduzir música está a tornar-se menos pronunciado; 7) a música é mais parecida com a banda sonora da televisão diurna do que com os filmes de sucesso de bilheteira.

PERSONALIZAÇÃO E REINVENÇÃO

Em 2015, Daniel Ek, CEO do Spotify, disse que queria que a plataforma fosse «a banda sonora da nossa vida». Sem dúvida, o Spotify e outros serviços de streaming estão a conseguir isso, mas a visão utópica é, na prática, mais prosaica. A música tornou-se um papel de parede sonoro, tipo um pano de fundo constante para o nosso quotidiano. (Embora a pandemia, a crise climática e a estagnação dos mercados de trabalho possam fazer com que, para muitos, até o mundano pareça aspiracional).

Gostando ou detestando, é provável que esta dinâmica de rastreio sonoro desempenhe um papel fundamental no que se refere ao futuro do consumo musical. Mas nem tudo são distopias sonoras. Personalização, algoritmos, dados de utilizadores e programação também têm o potencial de revigorar a paixão pela música. Aqui estão duas formas-chave em que o Spotify e outros serviços de streaming poderão transformar a audição de música nos próximos 10 anos:

Personalização dinâmica e biométrica: Qualquer utilizador individual parece ser um ouvinte musical dramaticamente diferente, dependendo do contexto da sua audição. À mesma hora do dia, qualquer ouvinte pode ter vontades/necessidades muito diferentes. Por exemplo, qualquer pessoa pode procurar sons mais calmos às 19 horas depois de uma segunda-feira louca de trabalho, mas querer ouvir música de dança à mesma hora de uma sexta-feira. Se os serviços de streaming pudessem recolher dados de dispositivos pessoais e do gráfico social, elementos como frequência cardíaca, localização, actividade, expressão facial e sentimento poderiam ser todos utilizados para criar uma alimentação musical que responda dinamicamente ao indivíduo. Em vez de ter de procurar activamente por música para fazer ginástica ou estudar uma lista de reprodução a fundo, o feed de música automaticamente ajustaria a música ao comportamento e hábitos do ouvinte. Quanto mais rápida for a corrida, mais up-tempo a música; à noite, música mais suave (a menos que sejam 21 horas e nos estejamos a preparar para uma grande noite de farra). A selecção das listas de humor e das listas de reprodução baseadas em actividades terá um aspecto incrivelmente mecânico neste mundo. Pensem nisto como a evolução das mudanças manuais para automáticas nos carros.

Reinvenção do catálogo musical: Tal como a audição baseada no humor e na actividade e se tornarão mais evidentes, o mesmo pode acontecer com o catálogo de música. Tradicionalmente, o consumo do catálogo é impulsionado por uma combinação de comportamento do utilizador («Já não ouço essa banda há algum tempo») e de impulsos de marketing por parte de editoras e agora fundos musicais de gestão de canções, como este. Mas já não precisa de ser assim. Ao longo dos anos, os serviços de streaming têm recolhido uma grande quantidade de dados dos utilizadores. Tal como o Facebook introduziu memórias para os posts dos utilizadores, também os serviços de streaming poderão entregar memórias musicais, mostrando aos utilizadores o que estavam a ouvir neste dia há 10 anos, ou qual era a banda sonora do seu Verão em 2021. Claramente, o Spotify já está a dar passos nesta direcção com o Wrapped, mas este seria um passo muito maior, entregando rotineiramente momentos de nostalgia ao longo de um dia, semana, mês, ano. Em muitos aspectos, o resultado seria uma democratização do consumo por catálogo. Não seriam simplesmente os detentores dos direitos com os maiores orçamentos de marketing e as campanhas mais inteligentes no TikTok (ou o que quer que tenha substituído o TikTok daqui a 10 anos) que ficariam com os maiores impactos financeiros. Em vez disso, o consumo de catálogos em toda a linha iria aumentar. Isto poderia fazer com que os actuais 66% de todas as audiências parecessem residuais. O que isso significa para os lançamentos na linha da frente encontrarem espaço é outra questão inteiramente diferente.

Estas são, naturalmente, apenas duas suposições, e as suas fraquezas baseiam-se no que aconteceu até agora e não no que pode acontecer no futuro, tal como alterações de consumo actualmente imprevistas.

De facto, o próprio streaming pode ter sido ultrapassado daqui a 10 anos. Mas a tecnologia de amanhã assemelha-se muitas vezes mais à de hoje. E a mudança leva tempo. Mas 10 anos é muito tempo no mundo da tecnologia, por isso, mesmo que nenhum dos exercícios anteriores se concretize, de uma coisa podemos estar certos: daqui a 10 anos, a audição de música será muito diferente do que é agora.

EGITANA