Dois terços dos espectáculos cancelados em Portugal devido à Covid-19 eram de música

Dois terços dos espectáculos cancelados em Portugal devido à Covid-19 eram de música

Redacção

O inquérito lançado pela GDA indica que por cada espectáculo cancelado/adiado ficaram sem rendimento, em média, 18 artistas, 1,3 profissionais de produção e 2,5 técnicos.

Depois de a ter apresentado em reuniões com o Governo e com o Presidente da República, a GDA vai disponibilizar a informação recolhida ao sindicato CENA-STE e à Associação dos Músicos de Portugal (AMP), grupo informal no qual estão inscritos mais de quatro mil artistas.

Os resultados do inquérito sobre cancelamento de espectáculos lançado em Março pela GDA – Gestão dos Direitos dos Artistas apontam para que cerca de dois terços das apresentações artísticas canceladas devido à Covid-19 tenham sido espectáculos de música – 2.964 concertos cancelados, 69% do total. A GDA é a entidade que em Portugal gere os direitos de propriedade intelectual de músicos, actores e bailarinos.

Foram também registados pelos artistas que responderam ao inquérito disponível no site oficial da GDA, o cancelamento de 1.048 récitas de teatro (24% do total) e de 100 espectáculos de dança (2%), para além de 175 espectáculos de outra natureza (4%). Segundo as quase mil respostas recolhidas, por cada espectáculo cancelado ficaram em média sem rendimento 18 artistas envolvidos, para além de 1,3 profissionais de produção e 2,5 técnicos.

O inquérito teve como objectivo recolher dados que contribuam para avaliar a situação real vivida no sector das artes do espectáculo em Portugal na sequência das medidas de contingência tomadas para travar a propagação da Covid-19. Os dados recolhidos destinam-se a orientar a GDA no diálogo a manter com as entidades oficiais responsáveis pela criação e aplicação de medidas de apoio aos artistas e às suas estruturas.

«A informação recolhida já foi discutida com a ministra da Cultura e com o Presidente da República, assim como com partidos com assento parlamentar e com presidente da Associação Nacional de Municípios», afirma Luís Sampaio, vice-presidente da GDA. «São dados muitos relevantes dos setores da dança, do teatro e da música, apesar de admitirmos que estejam um pouco circunscritos, uma vez que 90% das respostas foram dadas por cooperadores da própria GDA: por essa razão, vamos permitir que outras organizações representativas dos artistas os cruzem com as suas próprias recolhas de informação: o Sindicato dos Trabalhadores de Espectáculos, do Audiovisual e dos Músicos (CENA-STE) e a Associação dos Músicos de Portugal (AMP), um movimento informal de músicos criado em Março, no início da crise do novo coronavírus».

Dos quase mil profissionais do espectáculo que preencheram o inquérito, 67% são músicos; 23% são actores, 6% provêm de outras profissões do espectáculo e 4% são bailarinos. «Os resultados acabam por reflectir muito as características da relevância da amostra, uma vez que somos uma casa de actores, de bailarinos e de músicos», afirma Luís Sampaio. «Somados aos dados da AMP e do CENA-STE, os nossos resultados poderão contribuir para a construção de um retrato da situação que seja fiel à realidade dramática que está a ser vivida por muitos artistas em Portugal.»

O CENA-STE é a associação sindical constituída pelos trabalhadores artísticos, técnico-artísticos e de mediação dos sectores do audiovisual, do cinema, do circo, da dança, da música e do teatro, cuja actividade envolve a realização, exibição, preparação, produção e divulgação de espectáculos ou outros eventos performativos e ou de conteúdos audiovisuais e multimédia.

A Associação dos Músicos de Portugal – AMP foi lançada pelos músicos Miguel Gameiro, Boss AC, Marisa Liz, Nelson Rosado, Pedro Fernandes Martins e Tiago Pais Dias, que nas redes sociais formaram um grupo informal de debate e de procura de soluções para a crise que os artistas começaram a viver aquando da chegada da Covid-19 a Portugal, cancelando todos os espectáculos previstos para março, abril e maio. A AMP conta, neste momento, com mais de quatro mil inscritos.

EGITANA