Responsável da OMS Pessimista em Relação a Concertos

Responsável da OMS Pessimista em Relação a Concertos

Redacção

Na opinião de Ezekiel Emanuel, conselheiro da Organização Mundial de Saúde, a respeito dos Estados Unidos, os concertos serão a última coisa a regressar. Nunca antes de Outubro de 2021.

Todos desejamos o retorno à normalidade e saudamos o reagendamento de concertos ainda este ano. A própria Arte Sonora mantém activo o esperançoso artigo de concertos ainda marcados este ano. Todavia, Ezekiel Emanuel, da Organização Mundial de Saúde não aconselha este cenário de optimismo.

Em entrevista ao The New York Times, o conselheiro do director geral da OMS, foi questionado a respeito do regresso dos Estados Unidos à normalidade em Junho e as perspectivas não são as melhores. «O reinício da economia tem de ser feito em etapas e precisa de começar com um maior distanciamento físico nos locais de trabalho, para que as pessoas possam voltar aos seus empregos. Certos tipos de construção, fabricação ou escritórios, nos quais é possível manter distâncias de dois metros, podem começar mais cedo. No entanto, aglomerações maiores como conferências, eventos desportivos e espectáculos… Quando as pessoas dizem que vão reagendar para Outubro de 2020, não percebo como acham que isso é uma possibilidade plausível».

Para Emanuel, «essas coisas serão as últimas a voltar. Sendo realistas, estamos a falar, no mínimo, do Outono de 2021». É certo que a entrevista e os comentários se referem, particularmente, aos Estados Unidos da América, mas não é difícil perceber que muitos dos concertos e digressões que passam no nosso país implicam bandas norte-americanas que, neste cenário, serão as últimas a poder abandonar as restrições de movimento.

Tal como tantos outros sectores de actividade, a indústria musical tem sofrido danos severos nas suas receitas. Uma das formas de ajudarem o sector a combater a crise é através das encomendas online. Reunimos algumas dicas sobre como proceder correctamente nessa iniciativa.