BOSS EQ-200 Graphic Equalizer [Teste em Vídeo]

BOSS EQ-200 Graphic Equalizer [Teste em Vídeo]

Paulo Basilio

Ligámos um dos recentes pedais da Série 200 da BOSS, o EQ 200 Equalizer, e acreditamos que é uma das melhores unidades deste tipo, neste segmento de mercado. Lê a nossa opinião e vê o vídeo para o ouvir em acção.

Em 2019, partindo da aclamada série 500, a BOSS criou a colecção mais compacta e económica 200. Arrancou com delay digital, overdrive/distorção, modulador e equalização gráfica. Foi já em 2020 que rodámos dois deles, o MD-200 e o EQ-200.

A nova linha de pedais da série 200 proporciona som premium e versatilidade de alto-nível dentro de estruturas simplificadas. Os quatro modelos incluem áudio de alta-qualidade com AD/DA de 32-bit, processamento interno de 32-bit, taxa de sampling de 96 kHz e compatibilidade com controlo adicional através de switches externos, MIDI ou um pedal de expressão.

Ainda no que respeita à capacidade geral da série 200, as actualizações de firmware só poderão fazer este capítulo melhorar. Já depois de termos devolvido os pedais, foi lançada a actualização de software gratuita para a Versão 1.1, que oferece maior flexibilidade, expandindo consideravelmente a capacidade de memória interna para armazenar e fazer recall de sons. Agora existem 128 configurações de utilizador disponíveis. As configurações também podem ser diretamente acedidas através do MIDI program change.

O EQ-200 Graphic Equalizer é uma ferramenta precisa de modelação de som para guitarras, baixos e outros instrumentos, oferecendo dois canais EQ abrangentes de 10-bandas e um ecrã gráfico que apresenta a curva de EQ actual à primeira vista. Os canais podem ser configurados para operação stereo, paralela ou em série, e é possível ligar pedais externos para modelação pré e pós EQ.

SPECS

Frequência de sampling de 96 kHz. Conversão AD/DA 32 bits, tal como o processamento floating point. 12 modos de operação (ou efeitos): Chorus, CE-1 Chorus, Flanger, Phaser, Vintage Phaser, Classic Vibe, Vibrato, Tremolo, Rotary, Auto Wah, Slicer e Overtone. Memória 4 + Manual. O pedal possui buffered bypass.

Controlos: On/Off switch, MEMORY switch, sliders de equalização (30-12.8k), slider Level, botão A/B e botão MEMORY. Ecrã gráfico (LCD), com indicadores A/B e MEMORY (MAN, 1–4). Os I/Os incluem jacks A/Mono B de entrada e a mesma configuração de saída; CTL1, 2/EXP e entrada e saída MIDI. Funciona com transformador ou três pilhas AA (com autonomia de cerca de quatro horas).

Abre a galeria (imediatamente em baixo) para ver imagens detalhadas do EQ-200.

SOM & PERFORMANCE

Tal como no MD-200, a qualidade do som do EQ-200 é bastante agradável, a “pegada” digital não fere os ouvidos. A resposta às definições dos sliders de equalização é bastante sensível e nítida.

Parece um disparate dizê-lo, mas nem sempre isto acontece. Basta apenas alguns minutos a mover os sliders, acertando-os com as vossas preferências, e (como podem ver no vídeo) esta unidade logo exala detalhe no som, aumentando o calor e a profundidade, oferecendo uma enorme versatilidade de perfis sonoros.

As características mais proeminentes no pedal são a capacidade de armazenar presets e evocá-los rapidamente e a forma como é tão “silencioso” e transparente, traços que aumentam a sensação de efectividade na definição dos equalizadores.

O EQ-200 é quase como um masterizador portátil, pela sua capacidade de equilibrar os elementos sonoros, de expandir o campo stereo ou de definir e optimizar um sinal stereo ou mono a sair do instrumento através do amp. Uniformiza consideravelmente o som, dá-lhe mais recorte e nunca abdica da consistência.

Não fomos tão longe, mas suspeitamos que terá a mesma excelência de comportamento com outros instrumentos como guitarra acústica, baixo, teclados ou até as suas “primas” V-Drums da Roland. No entanto, estamos a especular…

Para terminar, a sua actuação como expansor stereo é notável e se quiserem dar uma de David Gilmour e usar um EQ como Boost, o EQ-200 também não vai comprometer o vosso som. Dentro do seu segmento de mercado (na relação qualidade/preço), é muito pedal para aquilo custa. Muita capacidade de uniformização do som e versatilidade.

Enfrentamos tempos de incerteza e a imprensa não é excepção. Ainda mais a imprensa musical que, como tantos outros, vê o seu sector sofrer com a paralisação imposta pelas medidas de combate à pandemia. Uns são filhos e outros enteados. A AS não vai ter direito a um tostão dos infames 15 milhões de publicidade institucional. Também não nos sentimos confortáveis em pedir doações a quem nos lê. A forma de nos ajudarem é considerarem desbloquear os inibidores de publicidade no nosso website e, se gostam dos nossos conteúdos, comprarem um dos nossos exemplares impressos, através da nossa LOJA.

EGITANA