AS Reviews: Voodoo Lab Giggity & Sparkle Drive MOD ft Luiz Arantes [Vídeo]

AS Reviews: Voodoo Lab Giggity & Sparkle Drive MOD ft Luiz Arantes [Vídeo]

Redacção

Quando a Voodoo Lab estreou os extraordinários pedais Giggity e Sparkle Drive, a AS convidou o Luiz Arantes para se sentar com estas duas unidades a ver aquilo de que são capazes.

A Voodoo Lab é uma marca que prima pela criatividade em soluções para os guitarristas e as suas pedaleiras. Desde a alimentação dos pedais, loops de efeitos, e até mesmo com modelos de pedais, sempre com um toque original, às vezes, até um certo senso de humor incluído.

Desta vez, com o lançamento dos modelos “Sparkle Drive Mod” e “Giggity”, a marca parece estar a falar directamente com os guitarristas de rock e blues e no caso do Giggity a inclinar-se claramente para os amantes de Stratocasters e single coils. Ambos os pedais têm um aspecto moderno e sedutor. Ao ligá-los, salta-nos à vista (e aos ouvidos), algumas novidades que não são fáceis de encontrar noutros pedais.

Foi o Luiz Arantes, virtuoso e muito completo guitarrista, que se sentou a rodar estes pedais. A produção do vídeo marcou também uma parceria com o selo nacional Dread Monkey.

Vamos começar pelo Sparkle Drive Mod. Já é sabido que há um crescente mercado de pedais com modificações feitas por marcas ou pessoas que se especializaram em dar novas cores sonoras a conhecidos pedais, como é o caso dos históricos TS-9 da Ibanez ou DS-1 da BOSS.

Seguindo essa tendência, a Voodoo Lab decidiu criar três modificações para o seu próprio pedal de distorção, o Sparkle Drive. Daí o nome Sparkle Drive Mod. Na primeira posição, o pedal mantém o circuito original do anterior Sparkle Drive. Depois, no mod 1 sente-se mais ganho e no mod 2 há um corte na zona média, benéfico para as partes de ritmo com distorção, segundo a própria marca.

Por fim temos o mod 3, com um som mais “in your face”, rico em ganho e harmónicos. Estes modos de overdrive tornam, necessariamente, o pedal versátil, permitindo viajar desde um som vintage (posição inicial) a moderno (mod 3).

Facilmente regulável, como qualquer outro pedal de distorção, através da combinação entre GAIN (ganho): quantidade de distorção; TONE (equalizador) que por norma parte sempre da posição central (os ajustes são feitos de acordo com o amplificador e a guitarra) e VOLUME, para equilibrar a altura do som do pedal quando ligado em relação a quando desligado.

E para além desses parâmetros, o “twist” realmente interessante deste pedal é o botão de “CLEAN”, que faz uma espécie de blend paralelo entre o sinal original e o do pedal, causando com isso a ilusão de se ter dois amplificadores em simultâneo: um com distorção e outro limpo. Essa prática é bastante usual entre guitarristas com grandes rigs multi-amplificados.

Em resumo, é bem fácil gostar do Sparkle Drive Mod, principalmente se estiveres ligado a um bom amplificador a válvulas e se gostares de rock clássico com atitude!

E passamos ao Giggity. Para começar, o nome do pedal é uma palavra inventada pela marca, que sugere concertos (vem de Gig), além de nos fazer pensar na expressão devassa de Quagmire, personagem da série de animação Family Guy.

Já os nomes dos botões não ajudam muito em termos de visualização do som pretendido: Loudness, Body, Air, Master e Sun/Moon selector. À primeira vista parece um pedal pouco necessário para um guitarrista médio/iniciante. E assim o é! Realmente não é algo que se note drasticamente no som. Portanto, e em poucas palavras: Não é brinquedo para crianças!

Por outro lado, oferece algo inédito. É um pedal feito principalmente para transformar o som de guitarras com pickups single coil em algo mais poderoso e encorpado, mais próximo dos humbuckers, ou não… Pode simplesmente trabalhar o timbre desses pickups para maximizá-los e o resultado pode ser surpreendente. Ao contrário do Sparkle Drive Mod, o Giggity não é tão simples de regular e calibrar. É bastante específico e vai de encontro às necessidades dos puristas, dos apreciadores de blues e dos amantes das Stratocasters com single coils. Se é este o teu cas, mas por vezes precisas de som com mais cabedal, então vais adorar o Giggity.

O selector SUN/MOON determina o brilho final do timbre. O LOUDNESS actua basicamente na zona grave e em conjunto com o BODY pode “muscular” o som do teu single coil como nunca antes ouviste. O AIR actua na zona média e aguda. E por fim o MASTER é o volume geral.

Sem dúvida que estes dois pedais novos são duas mais-valias. É bom ter no mercado novas opções de sons e com bastante personalidade. É assim a Voodoo Lab.

Enfrentamos tempos de incerteza e a imprensa não é excepção. Ainda mais a imprensa musical que, como tantos outros, vê o seu sector sofrer com a paralisação imposta pelas medidas de combate à pandemia. Uns são filhos e outros enteados. A AS não vai ter direito a um tostão dos infames 15 milhões de publicidade institucional. Também não nos sentimos confortáveis em pedir doações a quem nos lê. A forma de nos ajudarem é considerarem desbloquear os inibidores de publicidade no nosso website e, se gostam dos nossos conteúdos, comprarem um dos nossos exemplares impressos, através da nossa LOJA.

EGITANA