RCA Club Mais Perto De… Não Fechar Portas

RCA Club Mais Perto De… Não Fechar Portas

Redacção

Não tem sido fácil para as salas independentes portuguesas criarem activos para fazer face às despesas que não param. O RCA Club, em Lisboa, já teve piores dias. Os responsáveis dizem que falta pouco para conseguirem manter a porta aberta.

RCA Club, em Lisboa, tem levado a cabo as mais variadas iniciativas para conseguir angariar fundos que permitam pagar as despesas mensais. Depois de terem estado muito perto do abismo, com apelos dramáticos para fazer face às despesas pelo menos até ao final deste ano, agora, os responsáveis, emitiram um novo comunicado apelando a todos os amigos da casa para ajudarem naquela que consideram ser a recta final rumo à salvação.

Estamos no limiar da angariação de donativos monetários para conseguir resolver a situação do arrendamento do espaço onde existe o RCA CLUB. As próximas 48 horas são mesmo vitais“, lê-se no post publicado na página oficial no Facebook, que frisa: “Apesar dos valores recebidos (vocês são os maiores ❤ ), falta-nos ainda o último quarto do valor. Fazemos mais um apelo a quem puder, para fazer o seu donativo com a urgência possível através de transferência bancária (…) Acreditamos que, com a vossa ajuda, vamos conseguir garantir com o senhorio, a continuidade do RCA CLUB. Um muito obrigado a todos quantos nos têm apoiado e ajudado neste momento de aflição. Falta só o… quase! \m/“.

Depois deste apelo/agradecimento, eis o mais recente comunicado dos responsáveis do RCA Club: “Infelizmente, ainda não conseguimos angariar o valor necessário. Mas o senhorio remeteu a resolução do acordo para o fim do mês, permitindo alguma margem de manobra para chegarmos a bom porto. A resiliência com que todos encaramos esta luta desencadeará novos desenvolvimentos nas próximas semanas. NÃO DESISTIMOS e temos a convicção de que seremos recompensados por isso. Face a isto tudo, continuamos a solicitar a ajuda de quem puder, sem se prejudicar. Quem não pode ajudar financeiramente, pode partilhar ao máximo esta ideia, bem como as várias iniciativas que outros amigos têm a decorrer para nos ajudar (bem como a outras casas). Continuaremos a respeitar todo o sigilo que nos é pedido (exceptuando as autoridades), quer por parte de quem envia donativos, quer por parte dos nossos fornecedores, senhorio e outros pagamentos que temos de efetuar no exercício da nossa atividade. A ajuda ainda é necessária e deixamos aqui novamente os dados para que o possam fazer“.