Documentário & Álbum: Music, Money, Madness… Jimi Hendrix In Maui [Streaming]

Documentário & Álbum: Music, Money, Madness… Jimi Hendrix In Maui [Streaming]

Nero

A Experience Hendrix L.L.C. e a Legacy Recordings estrearam o novo documentário “Music, Money, Madness . . . Jimi Hendrix In Maui”, filme que está acompanhado do fenomenal álbum ao vivo “Live In Maui”. Obrigatório!

O documentário conta a história da célebre visita da Jimi Hendrix Experience a Maui, Havai, em 1970 e do infame filme “Rainbow Bridge”. Na época, Hendrix estava a trabalhar no sucessor de “Electric Ladyland” com os seus colegas Mitch Mitchell e Billy Cox, além de estar a construir os Electric Lady Studios, em Greenwich Village, na cidade de Nova Iorque.

Essa aventura imobiliária estava a revelar-se extremamente dispendiosa. Então o controverso manager da Experience, Michael Jeffery, procurou obter um avanço de quinhentos mil dólares da Warner Bros. para financiar o resto das obras. Nessas reuniões, Jeffery convenceu também a editora a financiar o filme “Rainbow Bridge”, em troca dos direitos para a banda-sonora que Hendrix lhe iria escrever.

O argumento do filme centrava-se na ideia de uma ponte arco-íris entre um mundo embrutecido e um mundo espiritualmente iluminado, maas em vez da sua visão original que incluiria pessoas no dia-a-dia, envolvidas em várias actividades, do surf e do yoga à meditação e ao Tai-Chi, as filmagens foram minguando até se tornarem numa desorganizada montagem de cenas do modo de vida hippie. Com Jeffery a ver o seu investimento em risco, insistiu desesperadamente em incluir Hendrix no filme.

Pois bem, a Experience tinha concerto marcado no dia 01 de Agosto de 1970, na H.I.C. Arena, em Honolulu. Chuck Wein, o realizador de “Rainbow Bridge”, juntou-se-lhes com o plano de filmar «uma vibrante experiência de cor/som» no sopé do adormecido vulcão Haleakala. Algumas centenas de residentes de Maui reuniram-se para assistir a uma explosiva actuação e, pouco depois, Hendrix regressou à Big Apple para continuar as obras dos Electric Lady Studios, antes de morrer tragicamente no dia 18 de Setembro de 1970, em Londres.

Então, Jeffery preparou “Rainbow Bridge” e a respectiva banda-sonora para suceder ao aclamado álbum póstumo “The Cry Of Love”. O filme acabou por ser um enorme flop comercial, pois as pessoas pensavam que se tratava de um filme-concerto, apesar de apenas 17 minutos, bastante editados, com imagens de Hendrix em concerto terem sido usados na versão final do filme.

50 anos depois, o concerto viu a luz do dia de forma triunfal. O documentário está editado em Blu-ray, na sua forma completa e inclui como bónus todas as imagens captadas em filme de 16mm colorido dos dois concertos dessa tarde vulcânica, com o som misturado em 5.1 surround. Além disso, o concerto “Live In Maui” foi editado em duplo CD e triplo vinil, com o som totalmente restaurado pelo lendário Eddie Kramer e masterização de Bernie Grundman.

O som é, de facto glorioso, como facilmente podem perceber disparando os temas libertados promocionalmente em vídeo: “Voodoo Child (Slight Return)” e “Foxey Lady”. São duas das melhores prestações da Experience destes dois temas. No que respeita à última, não nos recordamos de uma superior, soando aqui com um groove surreal, através de um turbilhão de offbeats e ghost notes, com uma espontaneidade fora de série.

Hendrix celebraria 78 anos no próximo dia 27 de Novembro. O lendário guitarrista morreu há 50 anos atrás, no dia 18 de Setembro de 1970. Este filme é uma das homenagens ao meio século da morte do músico. Recentemente, a Gibson apresentou modelos de assinatura Flying V e SG que Hendrix usou algumas vezes, ele que era um fanático de modelos Fender Stratocaster.

Documentário e disco chegaram no dia 20 de Novembro de 2020 e, pelo que já pudemos ver, estamos diante de um dos tesouros de Hendrix que estavam mais guardados até hoje. Podem ver um excerto do filme e disparar o álbum compelto em streaming digital nos players em baixo.

Enfrentamos tempos de incerteza e a imprensa não é excepção. Ainda mais a imprensa musical que, como tantos outros, vê o seu sector sofrer com a paralisação imposta pelas medidas de combate à pandemia. Uns são filhos e outros enteados. A AS não vai ter direito a um tostão dos infames 15 milhões de publicidade institucional. Também não nos sentimos confortáveis em pedir doações a quem nos lê. A forma de nos ajudarem é considerarem desbloquear os inibidores de publicidade no nosso website e, se gostam dos nossos conteúdos, comprarem um dos nossos exemplares impressos, através da nossa LOJA.