Baroness, Tempestades & Bonanças

Baroness, Tempestades & Bonanças

2016-03-06, Paradise Garage
Nero
8
  • 10
  • 6
  • 9
  • 7

A nova secção rítmica assinou a grande máxima de Nietzsche.

Será algo insensível dizê-lo, talvez. Será verdade, sem dúvida! A perda da sua secção rítmica e a tragédia que a banda enfrentou fez os Baroness tornarem-se perfeito exemplo da máxima de Nietzsche: «Aquilo que não nos destrói, torna-nos mais fortes». Sem qualquer intenção de menosprezar os músicos anteriores, a nova secção rítmica, composta por Sebastian Thomas e Nick Jost, revitalizou a banda.

Se essa noção era notória no novo álbum, “Purple”, tornou-se ostensiva ao vivo, no Paradise Garage. Som cirúrgico de baixo de Jost e um poder flexível de Thomas, tornam o som da banda mais maleável. Com a resposta de batida e propulsão mais “elástica” aos cruzamentos e progressões melódicas das guitarras de John Baizley e Peter Adams. Não há forma de agradar a gregos e troianos e, mesmo considerando a vitalidade na respiração da batida de Thomas e aquelas ghost notes tão à John Bonham, ter-se-á perdido a barbárie de outros tempos e que a introdução, ao som de “Anvil Of Crom”, peça de Basil Poledouris, evoca. Em contraponto, a nova agressividade subtil e “hard roqueira” vai deixando o decalque a Mastodon e emulando a excitante fúria eléctrica de Thin Lizzy – referência sugerida pelo colega Nelson Santos (TSF/LOUD!) e cheia de sentido em temas do novo álbum como “Morningstar” ou “Shock Me”, tocados de rajada.

Sala capaz de provocar desafios a técnicos de som, só se ouviu equilibrada, sensivelmente, a partir de metade da setlist, em “If I Have To Wake Up”. Um perfeito exemplo da mestria de composição e pujança de palco da banda, com até os temas midtempo a evocar uma enorme reacção a uma sala cheia e em modo “cantador”. Um espírito do público que se revelou bastante útil, pois a voz de Baizley foi perdendo fulgor a cada canção.

Como recompensa, ouviu-se duas dezenas de canções – ainda que seja impossível evitar alguma frustração por “Red” e “Blue” terem estado tão pouco presentes – afinal, é da mistura dessas cores que se chega a “Purple”. E, no final, o momento mais alto da noite terá sido “Isak”, do primeiro álbum.

SETLIST

  • Kerosene
    March to the Sea
    Morningstar
    Shock Me
    Board Up the House
    Green Theme
    The Iron Bell
    Little Things
    A Horse Called Golgotha
    If I Have to Wake Up (Would You Stop the Rain?)
    Fugue
    Sea Lungs
    Chlorine & Wine
    The Gnashing
    Try to Disappear
    Desperation Burns
    Eula
  • Isak
    Take My Bones Away