Bruce Springsteen, Aguenta Coração

Bruce Springsteen, Aguenta Coração

2016-05-19, Parque da Bela Vista, Lisboa
Nero
9
  • 10
  • 10
  • 7
  • 8

Clássico atrás de clássico no regresso a Lisboa e num concerto arrebatador!

Foi editado em Junho de 1984, não fazia anos redondos, nem está a ser celebrado de forma particular em digressão, mas foi o centro do concerto de Bruce Springsteen neste regresso a Lisboa e à “Cidade do Rock”. Falamos no axiomático álbum “Born In The U.S.A.”, que esteve presente quase na sua totalidade. Após o clássico “Badlands”, de “Darkness On The Edge Of Town”, a abrir o concerto, surgiu logo a vibrante “No Surrender” que seria acompanhada por “Cover Me”, “Downbound Train”, “I’m On Fire”, “Darlington Country”, “Working On The Highway”, além das habituais “Born In The U.S.A.”, “Glory Days” e “Dancing In The Dark”. E podemos ainda contar “My Love Will Not Let You Down”, gravado nas sessões de estúdio do álbum, apesar de não ter ficado na versão final do disco.

Sem um álbum específico para promover (“High Hopes” data já de 2014) o Boss entregou-se a Lisboa em modo best of. E Lisboa cantou com a E-Street Band. “Hungry Heart”, “Darkness On The Edge Of Town”, “Lonesome Day” ou “The Rising”. Lisboa fez pedidos especiais ao Boss e ele acedeu, com “Promised Land”. Um festão all american!

Num concerto com mau som (principalmente pouco volume) destacou-se, como sempre, Max  Weinberg. É incrível, é como se estivesse a disparar constantemente uma arma de fogo, com as dinâmicas e breaks quase exclusivamente à base da tarola! “À antiga”! Nils Lofgren e Steven Van Zandt são aterradores nas guitarras e até o Boss esteve em forma nos seus solos, como em “Cover Me”. E “Spirit In The Night” surgiu como uma evocação do saudoso Clarence Clemons, bem representado pelo sobrinho, Jake Clemons.

Se Clemons esteve presente em espírito, o coração da banda continua a ser o álbum “Born To Run”. Teve uma presença discreta no desfile do concerto, mas a forma como “Thunder Road” soa, faz eco de tudo aquilo que representa a música de Springsteen. Já olharam a um momento superlativo na vossa vida e pensaram que foram heróis ou vilões não cantados? Que a vossa alegria ou dor se tornou parte da reserva anónima de alegria ou dor do mundo, que a justiça que praticaram ou a injustiça que sofreram, por enorme e arrasadora ou diminuta e íntima, ficou invisível e dobrada num Muro das Lamentações metafísico. «You can hide ‘neath your covers / And study your pain / Make crosses from your lovers / Throw roses in the rain / Waste your summer praying in vain / For a saviour to rise from these streets / Well now I’m no hero / That’s understood / All the redemption I can offer girl / Is beneath this dirty hood». Bruce Springsteen canta-nos a todos, um Messias do Rock, que aconchega o coração de cada um que o ouve.

Antes de partir, ainda pegou na sua Takamine EF341SC (modelo Legacy Series), para sozinho cantar “This Hard Land”. Vai ser duro, de facto, esperar para ter cá o Boss novamente…

SETLIST

  • Badlands
    No Surrender
    My Love Will Not Let You Down
    Cover Me
    Darkness on the Edge of Town
    Hungry Heart
    The Promised Land
    Out in the Street
    Downbound Train
    I’m on Fire
    Atlantic City
    Darlington County
    Working on the Highway
    Johnny 99
    The River
    Because the Night
    Spirit in the Night
    Lonesome Day
    The Rising
    Thunder Road
    Born in the U.S.A.
    Born to Run
    Glory Days
    Dancing in the Dark
    Tenth Avenue Freeze-Out
    Twist and Shout
  • This Hard Land