Foster The People, o pop foi feito para se assobiar

2014-07-12, Passeio Marítimo de Algés, Lisboa
Nero
8
  • 7
  • 7
  • 9
  • 9

Qual o mal de uma banda pop não fazer músicas que sejam tratados académicos? Nenhum. A função da pop é divertir? É. Os Foster The People são putos com pinta e divertidos? São.

Os Foster The People deram um concerto liderados por um Mark Foster incansável e que, nativo da terra dos super pros, sabe ser um frontman capaz de chegar até “à última fila”. Uma setlist que à segunda proposta já nos mostrava “Helena Beat”, poderia correr o risco de esmorecer, até porque o recente “Supermodel” sofre de alguma esquizofrenia. Mas, em palco, nas partes escolhidas, o segundo álbum encaixa-se naturalmente com os temas de um dos álbuns favoritos de The Edge, o bem porreito “Torches”.

O som dos Foster The People está cada vez mais electrónico mas, depois de na noite anterior os BSS também o terem explodido, essa parece ser a forma de contornar os inúmeros problemas de som que o palco principal costuma apresentar e conseguir maior coesão sonora. No final, foi um belo concerto porque a banda conseguiu replicar algo que abunda no seu primeiro álbum, um sentido de leveza, como andar pela rua a assobiar, curiosamente, é a assobiar que se acaba o concerto, com “Pumped Up Kicks” e “Don’t Stop”.

Parece ser pouco badass dizer que os Foster The People deram um grande concerto, mas dá a ideia que a banda e o próprio público pouco se importaram com isso.

SETLIST

  • Life on the Nickel
    Helena Beat
    Waste
    Pseudologia Fantastica
    Houdini
    Best Friend
    A Beginner’s Guide to Destroying the Moon
    Coming of Age
    Are You What You Want to Be?
    The Truth
    Miss You
    Pumped Up Kicks
    Don’t Stop (Color on the Walls)