Demi Lovato, Importam-se?

Demi Lovato, Importam-se?

2018-06-24, Rock In Rio Lisboa, Parque da Bela Vista
Nero
Inês Barrau
9
  • 9
  • 9
  • 8
  • 10

O facto de termos um soft spot por Demi Lovato ou de considerarmos que, no seu nível na indústria, não há alternativa a não ser fazer-se acompanhar por músicos de elite, não invalida que tenhamos sido, de algum modo surpreendidos pelo tremendo concerto que deu no Rock In Rio Lisboa, principalmente a primeira metade.

“Confident” abriu o concerto com uma intensidade inesperado, com shred e peso rockers, acreditem ou não, e com uma atitude bastante eléctrica no som e banda. Com os arranjos despidos ao máximo possível dos elementos electrónicos que pontuam as canções nos álbuns da artistas, fazendo antes uso da força analógica dos instrumentos tradicionais na música pop. Entre os instrumentistas a estrela foi Adam Ross, o guitarrista que substituiu Mike Manning nesta digressão. Ecléctico, vigoroso e clínico, electrizou todo concerto, carregando de overdrive a primeira parte da setlist.

Adjectivos, todavia, partilhados pela banda, desde o peso acrescentado a “Cool For The Summer”, ao corpo funky, carregado de slap, de “Sexy Dirty Love”, e os vigorosos contratempos veraneantes que revestiram “Daddy Issues”. Um intenso bloco de canções, cruzando uma estonteante fusão de géneros do hip-hop ao R&B, do funk ao rock, até “Games”, que à revelia do álbum encerrou com extraordinário solo de guitarra.

Só quando Lovato pegou numa Gibson SG Standard e soaram as notas de “Concentrate” as emoções acalmaram, mais ainda logo de seguida, quando a cantora trocou a SG por uma Hummingbird e surgiram os temas semi-acústicos “Catch Me” e “Don’t Forget”. Só então, a electrónica tomou a dianteira no concerto, com as sintetizações euro-dance da brevíssima “Neon Lights”. O groove pop rock ressurgiu através de “Give Your Heart A Break” e “Really Don’t Care”. Este tema, em estreia nos alinhamentos da digressão, terá sido um acenar a Melania Trump? Teve algo de punk!

Talvez mais direccionadas para os fãs, a intensidade do concerto caiu a pique com as baladinhas da praxe, como “Stone Cold” e “Skyscrapper”, momentos algo brega, para os barrocos vocais da artista e que impedem a nota máxima ao concerto. Tal como todo aquele bloco meio reggaeton e pop latino, bastante manhoso, que antecedeu os super singles do álbum em digressão, “Tell Me You Love” e “Sorry Not Sorry” – talvez os momentos altos do concerto.

Antes de se despedir de vez, foi montado um piano no centro do palco e Demi Lovato ofereceu aos fãs ali reunidos um momento inédito nesta tour. Sozinha ao piano, cantou a intensa “Sober”.

SETLIST

  • Confident
    Heart Attack
    Cool for the Summer
    Sexy Dirty Love
    Daddy Issues
    Games
    Concentrate
    Catch Me
    Don’t Forget
    Neon Lights
    Give Your Heart a Break
    Really Don’t Care
    Stone Cold
    Skyscraper
    No Promises
    Échame la culpa
    Solo
    Tell Me You Love Me
    Sorry Not Sorry
    Sober