The Routes, Aquelas Máquinas do Fuzz

The Routes, Aquelas Máquinas do Fuzz

2015-12-04, Barreiro Rocks
Tiago da Bernarda
9
  • 9
  • 10
  • 9
  • 8

Japoneses ganham o prémio de melhor actuação na primeira noite da 15ª edição do Barreiro Rocks.

A banda japonesa era o cabeça de cartaz do primeiro dia e percebia-se porquê. Apesar de aparentarem estar, de alguma forma, ressacados (dizia-se por aí que o concerto que deram no dia anterior em Lisboa, no Lounge, foi puxado), os The Routes foram o power trio mais forte da noite.

Não tanto pelas suas canções mais conhecidas, como “Do What’s Right By You” ou “Hole in My Soul”, mas porque as malhas instrumentais que tocavam eram tão intensas e contagiantes que as grades de plástico rompiam constantemente, tal era o frenesim do público. Nessa altura, os fotógrafos já não se sentiam seguros juntos do palco e o crowdsurf tinha atingido o pico.

Sabe-se que se está numa cidade apologista do rock quando se vêem todas as faixas etárias a nadar por cima de corpos.

Sabe-se que se está numa cidade apologista do rock quando se vêem todas as faixas etárias a nadar por cima de corpos. Paisagem bonita, sem dúvida, e uma reacção justa ao punk, fuzz, garage rock dos The Routes, trazidos até cá pela Groovie, responsáveis também pela presença dos The Baron 4.

No final, todos meio incrédulos, foram dispersando a plateia. A noite ainda não tinha acabado, mas os The Routes conseguiram encerrar aquele palco em grande.

Foto: Vera Marmelo