Icons: Jerry Cantrell em Entrevista [Vídeo]

Icons: Jerry Cantrell em Entrevista [Vídeo]

Nero

Novo episódio Gibson Icons, onde Jerry Cantrell revela episódios da sua infância, como começou a tocar e fala das origens do som de Seattle e dos Alice In Chains.

Depois de Bob Rock e Tony Iommi, a Gibson TV sentou-se com Jerry Cantrell para uma entrevista bastante compreensiva. Cantrell versa sobre a sua juventude em Spanaway, Washington, e sobre o surgimento do som de Seattle. São contadas histórias de três décadas da sua carreira, com evidente destaque para os Alice In Chains e os seus dois álbuns a solo, “Boggy Depot” (1998) e “Degradation” Trip (2002).

O líder dos Alice In Chains já confirmou estar a trabalhar num novo álbum a solo, para suceder a esse gigantesco disco de 2002. O guitarrista detalhou os planos num par de entrevistas recentes, entre as quais numa conversa anterior com a Gibson, à boleia da parceria que firmou com a marca, da qual se irá tornar embaixador. «Vão acontecer cenas fixes este ano. Já dei um par de concertos em LA, em Dezembro passado, com um bom grupo de amigos».

O músico refere a prioridade prestada aos Alice In Chains, mas recorda que está com algum tempo livre após a edição de “Rainier Fog” e consequente digressão de suporte ao álbum (pouco antes da estreia do álbum, a banda passou no nosso país): «Estou nos Alice Chains há 33 anos, desde 1987. Esse será sempre o meu primeiro amor e maior compromisso, mas tive a oportunidade de fazer alguns álbuns a solo, algo que não se repetiu desde que trouxemos a banda de volta».

Além da parceria com a Gibson, Cantrell viu a estreia dos seus amps de assinatura com a Friedman no ano passado. Esses foram um dos modelos que elegemos para a lista de melhores amps de guitarra em 2019. Ainda não é claro que assinatura Cantrell terá com a Gibson, mas é provável que seja uma réplica da sua Les Paul Custom Shop dos anos 90.

Enfrentamos tempos de incerteza e a imprensa não é excepção. Ainda mais a imprensa musical que, como tantos outros, vê o seu sector sofrer com a paralisação imposta pelas medidas de combate à pandemia. Uns são filhos e outros enteados. A AS não vai ter direito a um tostão dos infames 15 milhões de publicidade institucional. Também não nos sentimos confortáveis em pedir doações a quem nos lê. A forma de nos ajudarem é considerarem desbloquear os inibidores de publicidade no nosso website e, se gostam dos nossos conteúdos, comprarem um dos nossos exemplares impressos, através da nossa LOJA.